Publicidade
Manaus
fins de semana

Sem ter 100% do transporte, população é impedida de se programar para sair

Sempre com frota reduzida aos finais de semana, usuários sofrem para fazer qualquer tipo de atividade ou programação comum, como um simples passeio ou festas de aniversário 17/07/2016 às 22:50 - Atualizado em 18/07/2016 às 09:03
Show busao
Usuários do transporte no terminal da Praça da Matriz, no Centr: sol e longa espera pelo ônibus (Foto: Evandro Seixas)
Geizyara Brandão Manaus (AM)

Fazer uma programação para sair, visitar parentes e amigos ou até mesmo ir ao supermercado se torna uma árdua tarefa quando se tem o empecilho da lentidão do transporte coletivo nos finais de semana. De acordo com a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) a frota é reduzida, em média, 40% dependendo da linha de ônibus.

Quem depende dos coletivos, principalmente no domingo, tem que exercitar a paciência. Dona Aldemira Pereira Bastos, 79 anos, estava há mais de uma hora esperando a linha 713 para visitar a irmã no bairro do Educandos e disse que quando tem condições recorre ao táxi para se locomover. “É o jeito esperar. Quando vou visitar minha irmã logo depois de receber, pego um táxi. Mas passa aqueles dias, acaba o dinheiro, aí não dá para ir mais”, contou.

O bombeiro hidráulico, Luís Pessoa, 65 anos, também estava aguardando o ônibus ao lado do Terminal 2, na rua Itacoatiara, Cachoeirinha. Mesmo com duas opções, a espera é semelhante. “Eu tenho que pegar o 612 ou 004, mas até agora ainda não passou. Faz 45 minutos que estou esperando e nada”, disse.

Luís Pessoa, que estava voltando para casa depois das compras no supermercado, afirmou que já está acostumado com a redução dos coletivos.

Vinda de Janauacá, Careiro Castanho (a 102 quilômetros de Manaus), Gegisca Souza Gomes trouxe o filho de 11 meses para consultas médicas na cidade. Acompanhada da mãe, ela aproveitou o final de semana para visitar a avó e revelou que durante a semana também teve problemas com o transporte coletivo da capital amazonense.

“Na sexta-feira fui levar meu filho ao médico e fiquei uma hora esperando o Interbairros (001). Quando perguntei o motivo da demora para o cobrador, ele me disse que eu tive ‘sorte’ de ter esperado apenas uma hora e que na segunda-feira eu esperaria duas”, comentou.

Programação adiada

Sem transporte 100%, as programações em família como passear nos shoppings, praças, ir na pizzaria deixam de ser realizados aos domingos. A industriária e estudante, Thamiles Cantel,  estava com familiares no terminal da Matriz, Centro, para buscar a irmã no Porto. Ela ressalta que é preciso conhecer o horário dos ônibus aos domingos e diz que prefere não sair por conta da demora.

“Fica difícil sair de casa. Tem que saber os horários que os ônibus passam, caso contrário tem que esperar muito tempo nas paradas. Eu evito até sair de casa, principalmente no domingo, porque demora demais”.

Moradora da Zona Leste, Gorete Oliveira estava a caminho do bairro da Redenção com as filhas de 14 e 10 anos para um aniversário, único motivo que a fez sair em pleno domingo de muito calor. “Fazer programação nem pensar”, exclamou a usuária de transporte coletivo.

Publicidade
Publicidade