Publicidade
Manaus
DECISÃO

Será que é hora do meu bebê estudar? Veja o que deve ser analisado

Quanto melhor a criança se desenvolver nos dois primeiros anos, maior potencial ela terá no futuro. Confira fatores chaves para a tomada desta decisão 28/01/2019 às 10:38
Show whatsapp image 2019 01 23 at 09.35.01 53b76766 99c7 4e2d adea 85edb8e1250c
(Fotos: Divulgação)
acritica.com

Quando um bebê nasce, é comum os pais se perguntarem: “do que será que o nosso filho vai gostar? Que profissão vai ter? Como será esse novo serzinho?”. Para os especialistas, cada criança que vem ao mundo é uma surpresa para a humanidade, diante da impressionante capacidade que carrega de aprender. Está provado pela ciência: os bebês são as melhores máquinas de aprendizagem do universo e, dependendo dos estímulos que recebem, podem desenvolver habilidades impressionantes.

Com o ritmo cada vez mais frenético da vida moderna, é muito comum os pais confiarem a educação dos filhos aos avós ou à babá. O problema é que essas pessoas, por mais amor que tenham pela criança, muitas vezes não reúnem as condições necessárias para proporcionar o desenvolvimento emocional, intelectual e motor dos pequenos de forma plena. A verdade é que hoje em dia as crianças estão, cada vez mais cedo, expostas às tecnologias que, quase sempre, acabam por prejudicar o processo de formação neurológica.    

Há consenso entre os neurocientistas que os primeiros anos de vida são fundamentais. “Os primeiros anos são como os alicerces da casa. Tudo vai ser construído a partir deles”, explica Raffi Cavoukiam, fundador do Centre for Children Honoring. A Organização Mundial de Saúde chama a atenção para os primeiros mil dias (dois anos), porque nesse período o cérebro forma centenas de novas sinapses (conexões entre os neurônios) e quanto melhor a criança se desenvolver nesse período inicial – quando o cérebro evolui com uma rapidez singular em relação ao restante da vida– mais potencial ela terá no futuro.

A advogada Amanda Abrahão não se arrepende de ter colocado os três filhos para estudar logo cedo. “A minha caçula foi a que começou na creche mais nova. Estou impressionada! Não sei como é direito o “treinamento” que eles dão para as crianças, mas, com dez meses, minha neném está muito mais sociável, segura e independente. E eu, mais feliz, porque agora tenho tempo para mim e também pra minha família. É importante que a gente esteja bem, pra poder dar o melhor para eles”, lembrou.  

Muita gente não sabe, mas as creches têm projetos pedagógicos que trabalham desde a mastigação, o sopro... até a autonomia e a capacidade de se relacionar com as pessoas. Na Bebê Bombom, uma das mais conceituadas de Manaus, as crianças aprendem, por exemplo, a reconhecer os sentimentos e a usá-los a seu favor, em aulas de Educação Sócioemocional. Outro destaque é a Educação Financeira. Isso mesmo! A partir de 2 anos os pequenos já começam a aprender conceitos como sonhar, poupar... e trabalham a racionalidade na hora dos gastos.

“Sempre buscamos o que há de mais atual em educação infantil. Em 2019, nossa principal novidade será a metodologia bilíngue, em parceria com a Cultura Inglesa, com quem já trabalhamos há mais de 20 anos. Nossa proposta, em síntese, permite que os bebês assimilem o Inglês de forma natural, orgânica” explica Annik Valentine, diretora.

O QUE CONSIDERAR NA HORA DE DECIDIR PELA CRECHE:

Como fica a afetividade da criança que vai cedo para a escola:

Geralmente, o bebê que estuda costuma ser mais independente e seguro emocionalmente, porque cresce aprendendo a dividir, a colaborar e, em certo grau, a se cuidar também. Para os pais também é muito bom, porque a qualidade do tempo com a criança melhora. Quando a família está junta, o contato é mais intenso e tudo é alegria.

Como fica a saúde da criança que começa a estudar cedo:

Independentemente da idade, quando entram na escola, é muito comum as crianças terem gripes e resfriados. “A boa notícia é que, quanto mais cedo isso acontece, mais cedo o bebê adquire imunidades e fica resistente às doenças”, explica a Dra. Ângela Acauan, pediatra.

Como é a alimentação na escola:

A maioria das creches oferece cardápios balanceados, ricos nutricionalmente e apropriados para cada idade. No caso dos bebês, as refeições costumam ser personalizadas, feitas para cada um, de acordo com o que comem em casa. Se o seu filho é “difícil” pra comer, não se preocupe, o apetite deles costuma melhorar muito na presença dos amiguinhos.

Se o bebê ainda não fala com desenvoltura, o que fazer:

A diretora da Bebê Bombom, Annik Valentine, explica que mesmo os pequenos que não falam nada, conseguem se comunicar com eficiência. “A criança quando está com algum problema, ela manifesta, fica visível. E aqui na Bebê Bombom nós acompanhamos cada uma de pertinho. No começo, elas podem até não querer ir com a professora, mas depois, o mais comum é elas se jogarem no colo das tias”.

Como escolher a melhor creche:

Educação é coisa muito séria, ainda mais de bebês. Por isso, é muito importante pesquisar e buscar referência de outros pais, principalmente de famílias que você conhece ou se pareçam com a sua. É imprescindível também escolher um local seguro, tanto do ponto de vista físico como da confiança (As melhores creches permitem que os pais fiquem na escola durante o período de adaptação, uma ótima oportunidade para você observar cada detalhe. Há, por exemplo, socorristas e brigadistas de plantão? Observe ainda a postura dos funcionários com as crianças. Creche é lugar de carinho, de atenção, de pessoas pacientes e amorosas!). Por fim, conheça a fundo o projeto pedagógico. Entenda como será a rotina dos seus filhos e como se dará o processo de aprendizado. Isso faz diferença!

Publicidade
Publicidade