Publicidade
Manaus
ATO NACIONAL

Servidores do TRT aderem à greve contra reformas e expediente é suspenso

Pleno aprovou a suspensão do expediente no órgão para que servidores participem de ato nacional contras as reformas trabalhista e da Previdência Social 26/04/2017 às 15:32 - Atualizado em 26/04/2017 às 18:55
Show dsc 0132a
Órgão só funcionará em regime de plantão (Foto: Divulgação)
acritica.com* Manaus (AM)

O Pleno do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região AM/RR (TRT11) aprovou, em sessão realizada nesta quarta (26/04), a Resolução nº 105/2017, que determina a suspensão do expediente no âmbito do Tribunal na próxima sexta (28/04), em face da paralisação nacional marcada para esta data. O Tribunal também divulgou Nota Pública sobre o assunto - leia a íntegra ao fim da matéria.

De acordo com a Resolução,  os prazos que venceriam no dia 28 de abril ficam prorrogados para o primeiro dia útil seguinte - 2 de maio, próxima terça-feira. Mesmo com o expediente suspenso, eventuais casos urgentes serão atendidos em regime de plantão.

“Essas reformas não trazem benefício algum à sociedade e os servidores públicos são tão prejudicados quanto qualquer outra classe trabalhadora, por isso, estaremos todos unidos na próxima sexta, lutando pela garantia dos nossos direitos”, diz o, vice-presidente do Sindicato dos Servidores da Justiça do Trabalho no Amazonas e Roraima (SitraAM/RR), Luis Cláudio Correa.

A entidade também integra a ‘Frente de Lutas "Fora Temer" Manaus - Contra a Retirada de Direitos’, constituída pelo Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe), Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua), Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES, Pró-Sindicato dos Psicólogos, Movimentos de luta dos professores, Movimento Mulheres em Luta (MML), Mulheres Pela Democracia, Fórum Permanente das Mulheres de Manaus (FPMM), APS, União da Juventude Comunista (UJC), CSP-Conlutas e Assembleia Nacional de Estudantes – Livre (ANEL), entre outras entidades e movimentos populares que estarão todas presentes no ato de sexta.

Segundo Correa, o Dia de Greve Geral em Manaus terá início às 7h30, em frente ao TRT-11, localizado na rua Ferreira Pena, Centro, com ações em defesa do servidor da Justiça do Trabalho e dos demais trabalhadores, além do grande ato que reunirá todas as categorias de trabalhadores em repúdio às reformas Previdenciária e Trabalhista.

“Todos os sindicatos e centrais sindicais com ramificações no Amazonas devem fazer parte da greve geral, com atos espalhados por toda Manaus ao longo do dia. Pela manhã, os sindicatos vão reunir suas bases em atividades diversas e à tarde se unirão ao grande ato no Centro. A ideia é que todos os sindicatos façam mobilização no dia”, acrescenta o sindicalista.

As ações dos servidores da Justiça do Trabalho durante a mobilização geral foram articuladas em assembleia realizada na manhã desta quarta-feira (26), na sede do Fórum Trabalhista Ministro Mozart Russomano, localizado na rua Ferreira Pena, Centro. 

O presidente do SitraAM/RR, Edmilson Marinho, enfatizou que a direção do TRT-11 se posicionou de forma positiva e atendeu ao requerimento que o sindicato fez para que as atividades no Fórum Trabalhista fossem suspensas, o que foi aprovado em unanimidade pelo Tribunal do Pleno. 

“O expediente externo foi suspenso pelo pleno do Tribunal do Trabalho, referendando a mobilização em favor dos servidores. Então não vai ter atendimento na sexta-feira, sem atendimento os servidores pode estar conosco nesse ato em frente ao Tribunal do Trabalho”, informou Marinho. 

Além dos servidores públicos federais, estaduais e municipais, o grande ato desta sexta-feira (28) contará com trabalhadores rodoviários, bancários, metalúrgicos e petroleiros, entre outros. O dia de Greve Geral é organizado por entidades como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), CSP-Conlutas, União Geral de Trabalhadores (UGT), Nova Central dos Trabalhadores (NCST), Movimento de Luta Popular (MLP), Ordem dos Advogados do Brasil, coletivos, militantes LGBT’s e dos partidos PSTU, PC do B, PCB, PT, PSOL e Rede.

Veja a nota pública abaixo:

O Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região, neste delicado cenário político, em que o Congresso Nacional vota o Projeto de Lei das reformas trabalhistas, cuja extensão atinge os trabalhadores brasileiros e a própria Justiça do Trabalho, considerando que no próximo 28 de abril, em protesto contra as profundas reduções de direitos propostas, a classe trabalhadora realizará greve geral em todo o país, com notícia da paralisação até das atividades consideradas essenciais, tais como o transporte público urbano e a segurança pública. Considerando a expectativa da ocorrência de manifestações sociais de grandes proporções, bem como a necessidade de preservar a segurança de magistrados, servidores, advogados estagiários e jurisdicionados, o Egrégio Regional noticia que suspenderá suas atividades na mesma data, reconhecendo inclusive as dificuldades que os jurisdicionados terão para acessar aos Órgãos da Justiça do Trabalho da 11ª Região . 

Na oportunidade, esclarece à população que os casos urgentes serão atendidos pelo Plantão Judicial.

Manaus, 26 de abril de 2017

Publicidade
Publicidade