Publicidade
Manaus
Manaus

Servidores federais cobram reajuste em protesto em Manaus

Categoria cobra reposição de 27,3% em salários de trabalhadores. Mobilização ocorreu na manhã desta quinta-feira (6) na praça do Congresso, Centro 06/08/2015 às 12:38
Show 1
Protesto de servidores ocorreu na Praça do Congresso, Centro da capital
OSWALDO NETO Manaus (AM)

Servidores públicos federais do Amazonas promoveram na manhã desta quinta-feira (6) um ato público em protesto. A mobilização da categoria tem o objetivo de cobrar do Governo Federal um reajuste salarial de 27,3%. Uma negociação está marcada para esta sexta-feira (7).

De acordo com o secretário-geral do Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Amazonas (Sindsep-AM), Walter Matos, o protesto faz parte do Dia Nacional de Luta dos Servidores Federais, que acontece em vários estados do Brasil. No Amazonas, a ação ocorreu na Praça do Congresso, Centro.

“Hoje estamos fazendo essa paralisação nacional. Aqui em Manaus funciona como a continuação daquelas atividades que começamos no Inpa. O objetivo da nossa discussão é forçar o governo a mudar a proposta que ele tem de reajuste salarial. O governo está propondo 21,3% de reajuste parcelado em quatro anos, nós estamos defendendo os 27,3% que é o que nós perdemos”, afirma.

Ainda segundo Matos, a associação sindical engloba diversas áreas da esfera pública como saúde (FVS), pesquisa (Inpa), reforma agrária (Incra) e indígenas (Funai). "Vamos trabalhar a partir do dia 10 (segunda-feira) para colocar a categoria dos servidores em greve", declarou. Matos disse ainda que uma reunião está marcada para ocorrer nesta sexta-feira com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

De acordo com o Ministério, O Ministério do Planejamento, por meio de sua Secretaria de Relações de Trabalho (SRT/MP), está negociando com todo o conjunto dos servidores públicos federais. “A proposta mais recente do governo foi apresentada na segunda-feira, dia 20, em reunião com os sindicalistas no Fórum Nacional das Entidades. Na ocasião foi reafirmado o índice de 21,3% em quatro anos; proposto adicionalmente reajuste de três benefícios (auxílio-alimentação, auxílio-creche e plano de saúde suplementar); e a possibilidade de nova negociação em 2017. Essas propostas valem para todas as categorias de servidores do Executivo Civil, inclusive as que estão em greve, como INSS e universidades. As entidades integrantes do Fórum Nacional estão avaliando o que foi proposto e darão um retorno ao governo, de forma conjunta”, disse o órgão por meio de nota. 

Publicidade
Publicidade