Publicidade
Manaus
PROTESTO

Servidores protestam em frente à prefeitura por plano de cargos prometido há 23 anos

Segundo os manifestantes, são quatro gerações de servidores municipais, cerca de 1,3 mil pessoas, que nunca tiveram plano de cargos e carreiras 22/08/2018 às 12:13 - Atualizado em 22/08/2018 às 12:16
Show 404e8fe5 cb95 4dcd 926f 770a7a58f4b2 e4516021 2659 4f33 942c e3a4b5afc5ae
Foto: Winnetou Almeida
Karol Rocha Manaus (AM)

Cerca de 150 servidores municipais de Manaus estiveram na manhã desta quarta-feira (22) em frente à sede da Prefeitura de Manaus, no bairro Compensa, Zona Oeste, reivindicando a aprovação de um Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV). Segundo os manifestantes, já existe uma minuta do PCCV, que é prometido aos servidores há 23 anos.

“Hoje, nós temos na área não específica quatro gerações de servidores esquecidos pelas administrações que passaram pelo município. Nós somos ao total 1332 servidores sem planos de cargos e salários. Nós apresentamos um plano com o impacto anual de R$ 32 milhões e foi declarado pela Semef que não havia orçamento. No entanto, o impacto do plano deles é de R$ 117 milhões ano. Para eles nunca há falta de dinheiro”, afirmou a servidora Dinah Teixeira.


Foto: Winnetou Almeida

Segundo o presidente da Associação dos Servidores Efetivos da Prefeitura de Manaus (Asemm), Lúcio Rocha, o plano que foi elaborado pela Secretaria Municipal de Administração (Semad), e mandado para a Secretaria Municipal de Finanças (Semef), segue até o momento sem deliberação e encaminhamento à Câmara Municipal.

“É uma área que compreende todos os administrativos, engenheiros, arquitetos, psicólogos, assistentes sociais, todas estas áreas estão esquecidas pela prefeitura. O plano precisa ser analisado de uma forma contextualizada e sistêmica. Nós temos servidores trabalhando até os seus 75 anos e não tem condições de se aposentar. Com isso quem perde é a PMM e a cidade de Manaus que não possuo melhores serviços. Temos servidores de infraestrutura que trabalham todos os dias nas ruas e não possuem perspectiva, isso não é justo”, explica o presidente da associação.


Foto: Winnetou Almeida

Em nota, a Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno (Semef) informou que a proposta feita pela liderança dos servidores de área não específica, está em análise pelos técnicos da área de orçamento da secretaria.

Segundo o secretário da pasta, Lourival Praia, a proposta do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) desses servidores, que somam 1.340, representa um impacto de R$ 36 milhões anuais aos cofres do município, sem considerar a questão previdenciária. “Precisamos analisar com cautela. No momento ainda não temos esses estudos concluídos”, disse Praia.

De acordo com a nota, a Prefeitura de Manaus reajustou ainda este ano, as datas-bases das seis categorias de áreas específicas e também da área não específica, que há 12 anos não recebia reajuste. O próximo passo é a efetivação do PCCV da área não específica, dentro dos limites orçamentários e de responsabilidade fiscal do município.

Publicidade
Publicidade