Quarta-feira, 14 de Abril de 2021
AULA IRREGULAR

Sesi ignora decreto governamental e realiza aula presencial com crianças em Manaus

Unidade de ensino infantil Sesi Dr. Francisco Garcia, localizada no Distrito Industrial, admitiu que teve aula presencial nessa segunda-feira (1º), mesmo sem autorização do governo



273f551a-2436-4427-b95c-4c0c7d28a8d5_FAE6A832-09B0-476D-8A31-030E1E680056.jpg Foto: Divulgação/Sesi
02/03/2021 às 15:49

Apesar do retorno presencial em escolas de Manaus do ensino privado e público estarem proibidas via decreto governamental, a Escola SESI Dr. Francisco Garcia, localizada no Distrito Industrial, resolveu ter um dia de aulas presenciais na unidade que possui ensino infantil, nessa segunda-feira (1º). A decisão do retorno, no entanto, durou apenas um dia, já que a escola desistiu de continuar com as aulas presenciais.

A instituição ainda enviou um release informando à imprensa que o retorno foi possível "com medidas de segurança seguidas à risca".



"Desta vez, o tradicional acolhimento festivo às crianças da creche e pré-escola, deu lugar a uma recepção, calorosa, mas com o devido distanciamento de pais e filhos na chegada à escola", informou a nota.

O release destaca ainda que a retomada presencial foi apenas para os alunos da creche e que no último dia 22 de fevereiro, o SESI deu início ao ano letivo dos alunos do Ensino Fundamental, de forma remota, tanto em Manaus, como em Itacoatiara, Iranduba e Parintins.

"A retomada das aulas presenciais, de acordo com a professora Sinthia, será feita em etapas para que o Protocolo seja devidamente assimilado pelos alunos, professores e funcionários envolvidos. O SESI reitera a necessidade de que todos, pais ou responsáveis e profissionais tenham atenção redobrada às medidas preconizadas no Protocolo de Segurança para um retorno seguro das atividades escolares, impedindo a transmissão do Covid-19 entre nossas crianças”, acrescenta a nota.

O Amazonas já contabiliza 1.138 pacientes internados com Covid-19 e 10.938 óbitos pela doença desde o começo da pandemia no estado, de acordo com dados do último Boletim da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM) desta segunda-feira (1º).

Questionado pela A CRÍTICA, a assessoria de comunicação do SESI Amazonas informou que a decisão de retorno presencial das atividades da creche tomada pela superintendência do SESI, de acordo com solicitações demandas pela própria Indústria, e que os alunos que retornaram são filhos dos funcionários do setor industrial.

A assessoria informou ainda que em respeito ao decreto, o retorno presencial foi suspenso e que os pais dos alunos poderão adquirir os materiais que seriam entregues aos alunos para que seja dado continuidade ao ensino remoto.

Questionado, o Governo do Amazonas respondeu por meio de nota que não estão autorizadas aulas presenciais no Estado e disse que irá apurar o fato.

"O governo está discutindo a questão, junto ao Comitê de Enfrentamento à Covid-19 e, caso os números epidemiológicos do Amazonas continuem apresentando queda, existe a expectativa de reinício da aula presencial, para a educação infantil,  nas próximas semanas. O Governo do Amazonas informa, ainda, que vai apurar o fato envolvendo a instituição de ensino em questão", disse a nota.

Além disso, A CRÍTICA solicitou também um posicionamento do Sinepe-AM em relação ao caso. Em nota a entidade afirmou que a instituição não pertence ao corpo do sindicato, e que o Sinepe não foi informado.

Confira a nota na íntegra:

A presidente do Sinepe-AM, Laura Cristina Vital, informou A CRÍTICA que não foi notificada sobre esse retorno pois o SESI não é associado a entidade. Vidal acredita que a instituição será notificada por algum órgão de fiscalização devido retorno antes do “previsto”.

“O Sinepe não foi notificado. Eles não são associados [ao sindicato]. Acredito que eles vão sofrer por parte do Governo alguma notificação, ou pela da Vigilância Sanitária ou dos órgãos responsáveis por eles terem funcionado sem uma prévia autorização que tenha no decreto”, declarou Vital.

Segundo a presidente do Sinepe-AM, a categoria espera que até a próxima quinta-feira (5), o Governo do Amazonas publique um decreto autorizando a retomada do ensino infantil de forma híbrida para o dia 8 de março.

“Com relação ao retorno das aulas, estamos na expectativa que saia na próxima decreto o que foi acordado em reunião com o governador. Isso se os índices permanecerem em baixa, vamos poder voltar de forma gradativa. Mas vamos contar que na próxima segunda (8), a gente consiga retornar de forma híbrida, com a educação infantil, escolas e creches que atendam crianças de 0 a 5 anos com protocolo de biossegurança em prática. Estamos aguardando que saia um novo decreto na quarta ou quinta-feira”, destacou Vital.

Laura Cristina Vital ressalta ainda a importância para que as escolas estejam preparadas para esse retorno, com a adoção dos protocolos sanitários que visam reduzir a proliferação da Covid-19.

“É importante que as escolas estejam se organizando, se preparando. Assim que tivermos o retorno das escolas pelo decreto, que as escolas estejam adaptadas quanto aos protocolos, capacitação com funcionários para que quando retornarmos de forma híbrida a gente não tenha nenhum aumento de índices”, comentou a presidente.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.