Publicidade
Manaus
Manaus

Sete pessoas estão envolvidas no esquartejamento de Ana Carolina

Uma mulher e um adolescente confessaram nesta quarta-feira (18) o crime, contaram detalhes e entregaram os demais participantes da ação brutal 19/11/2015 às 11:11
Show 1
O corpo de Ana foi encontrado no começo do mês, boiando na bacia do São Raimundo
Kamyla Gomes Manaus (AM)

A equipe de investigação da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), prendeu uma mulher e apreendeu um menor, na manhã de ontem (18). A dupla é suspeita de esquartejar a jovem Ana Carolina, de 18 anos, encontrada morta no dia 4 de novembro deste ano. Nove pessoas participaram do crime brutal.

O delegado Ivo Martins, titular da DEHS, informou que a dupla confessou todo o crime. A equipe de investigação relatou também que os detalhes do crime são chocantes. “Chegamos até eles por meio de investigações. Ao serem detidos, eles entregaram mais quatro maiores de idade e três adolescentes que também participaram. Todos já foram identificados”, informou o delegado.

Ainda conforme Ivo Martins, nem todos os envolvidos eram moradores do bairro Novo Aleixo, Zona Norte da capital.  Na última sexta-feira, dia 13, a Polícia Civil localizou a casa onde a jovem foi esquartejada brutalmente.

De acordo com a PC, o crime ocorreu a 200 metros de onde a vítima morava. No mesmo dia, os familiares de Ana Carolina foram até o local para fazer o pedido de justiça. A família ainda luta para encontrar os restos dos membros da jovem e assim, ela ser liberada do Instituto Médico Legal (IML), e finalmente poder ser enterrada.  Até a tarde de ontem,por volta de 17h, todos estavam na sede da DEHS, prestando os devidos depoimentos. A Polícia Civil marcou uma coletiva para a manhã de hoje (19), onde os detalhes do crime serão finalmente revelados.

Crime e a revolta

O corpo de Ana Carolina foi encontrado na manhã do dia 4 de novembro sem a cabeça, os dois braços e as duas pernas e com mais de 15 perfurações de facas espalhadas pelo corpo.

A jovem foi achada boiando em um lixão no rio Negro próximo ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do São Raimundo, Zona Oeste, após dois dias desaparecida. No local do crime, familiares e amigos reconheceram o corpo da jovem por meio das tatuagens que ela possuía. Segundo o irmão de Ana Carolina, Adriano Nascimento, a jovem de 18 anos vinha recebendo diversas ligações e mensagens ameaçadoras, feitas por uma ex amiga.

Publicidade
Publicidade