Publicidade
Manaus
Manaus

Setembro foi o mês com maior índice de focos de incêndios em Manaus

Corpo de Bombeiros têm trabalhado bastante para conter os sinistros, mas a seca e as várias ocorrências têm aumentado  29/09/2015 às 16:38
Show 1
Combate ao incêndio no Nova Floresta, Jorte Teixeira, durou quase 24h
silane souza ---

Setembro ainda nem acabou, mas é o mês com o maior número de focos de queimadas e incêndios no Estado, desde 1998, de acordo com o Portal do Monitoramento de Queimadas e Incêndios, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Só de 1º a 24 de setembro, foram 4.735 focos ativos detectados pelos satélites, contra 3.057 no mesmo período do ano passado. Em 2015  foram 9.893. O recorde anterior foi registrado em 2014 (9.322 focos ativos) e 2010 (8.826).

Em Manaus, o Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM) tem atendido, em média, 20 chamados sobre focos de incêndio por dia, quando a média nos meses do primeiro semestre é de oito a 12 ocorrências. Conforme a corporação, os sinistros começam a aumentar em julho, agosto e setembro. Neste último mês foram 111 ocorrências atendidas, contra 79 no mês anterior e a previsão é que haja crescimento desses números até que volte o período de chuva.

Ontem mesmo, militares do Corpo de Bombeiros passaram o dia no combate a um incêndio de grandes proporções, que teve início na tarde de quarta-feira em um terreno com vegetação na rua das Pratas, Nova Floresta, bairro Jorge Teixeira, Zona Leste. O fogo começou por volta de 13h18 do dia 23, e se alastrou, muitas famílias tiveram que deixar suas casas e pelo menos três residências foram parcialmente atingidas pelas chamas.

De acordo com o subchefe do Centro de Operações de Bombeiros Militar (Cobom), João Filho, o combate que durou mais de 24h foi dificultado pela estrutura do local, uma vez que o fogo teve inicio no terreno acidentado e com vegetação, que servia para desmanche de pallets, um estrado de madeira, metal ou plástico utilizado para movimentação de caixas, e outras peças de madeiras.

Até às 10h de ontem, o Corpo de Bombeiros tinha utilizado mais de 258 mil litros de água no combate ao incêndio. A corporação fazia o revezamento com oito viaturas de combate e de resgate. Técnicos da Defesa Civil de Manaus e uma equipe da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh), estiveram no local para fazer a avaliação dos imóveis.

Fumaça à noite e sem poder dormir

Muitas famílias tiveram que sair de suas residências por conta da fumaça e do perigo do fogo se alastrar. Quem não teve para onde ir ficou em casa, mas ninguém conseguiu dormir na noite de quarta-feira para quinta. “Passamos a noite sentados na calçada, conversando e preocupados com o fogo”, relatou a doméstica Neide Barbosa, 62.

Na casa da estudante Ianca Luiza, 19, os setes moradores do local foram para a casa de uma avó. “Graças a Deus ninguém ficou ferido, só os materiais de trabalho mesmo. Desde o primeiro dia de incêndio meu pai e meu tio já compraram três caminhões pipas, de R$ 380 cada, para ajudar a controlar o fogo que está próximo de casa”, revelou.

Em números

4.735 é o número de focos ativos de queimadas e incêndios detectados pelos satélites, em todo o Amazonas, apenas em setembro deste ano, de acordo com o Portal do Monitoramento de Queimadas e Incêndios, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

Publicidade
Publicidade