Publicidade
Manaus
FISCALIZAÇÃO

SMTU deve definir data para liquidar 2ª parcela de acordo com fiscais nesta sexta (15)

Caso a SMTU não apresente uma data para o pagamento, todos os serviços da superintendência podem ser comprometidos com a paralisação dos servidores 13/09/2017 às 22:57 - Atualizado em 14/09/2017 às 07:21
Show capturar
Servidores ‘bateram ponto’ e cruzaram os braços, concentrando-se no auditório, onde se reuniram com o superintendente (Foto: Winnetou Almeida)
Isabelle Valois Manaus (AM)

Servidores de carreira da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) prometem cruzar os braços por tempo indeterminado caso o superintendente, Ronald Brito deixe de apresentar, até amanhã, a definição da data do pagamento da segunda parcela do dissídio coletivo de 2016, acordada em junho do ano passado com a categoria, e que deveria ter sido paga em janeiro deste ano. 

Caso a SMTU não apresente uma data para o pagamento, todos os serviços da superintendência podem ser comprometidos com a paralisação dos servidores. Desde o mês passado, os servidores de carreira têm organizado paralisações pontuais por conta da falta do pagamento do dissídio coletivo.

Por conta do atraso e sem receber nenhuma justificativa da SMTU  ou da Prefeitura de Manaus, os servidores realizaram a primeira paralisação em agosto. Após o ato, o prefeito de Manaus, Artur Neto, chamou representantes da categoria e afirmou que o pagamento seria feito até o dia 22 do mesmo mês. Quase um mês depois da promessa, os servidores afirmam que, até ontem, ainda não haviam recebido a segunda parcela. 

Conforme o presidente do Sindicato  dos Agentes de Trânsito e Fiscais de Transporte (Sindtran), Rafael Cordeiro, o acordo foi um percentual de 9,83%, divididos em duas parcelas. Durante junho de 2016, os servidores de carreira receberam os 5%, e o restante seria para janeiro. “Os servidores da SMTU buscam um meio de chamar a atenção do prefeito com o intuito de sanar uma demanda referente ao reajuste de 2016. Ele havia prometido resolver esta situação, mas não passou de promessas, por conta disso, eles irão procurar as medidas cabíveis em busca de um direito da categoria”, disse.

Diferença de salário gera crítica

Conforme o presidente do Sindicato  dos Agentes de Trânsito e Fiscais de Transporte (Sindtran),   Rafael Cordeiro, os 4,83% de reajuste  equivalem a um valor aproximado de R$ 70 por servidor.

Atualmente, a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) possui 220 servidores atuando em todos os setores do órgão. Desse total, 180 são de carreira.

Durante a reunião entre a categoria, os servidores reafirmaram para o presidente do Sindtran o problema de defasagem salarial, além de outros problemas que afetam acategoria. De acordo com os servidores, o salário dos comissionados, muitas vezes, chega a ser o triplo dos servidores de carreira e, por conta disso, eles não aceitam a demora do pagamento dos 4,83%.

Nova paralisação

Ontem, após os servidores paralisarem as atividades durante a manhã, eles participaram de uma reunião com o superintendente do órgão, onde debateram o problema, mas saíram sem um acordo.

Foi estipulado o prazo até sexta-feira (15) para que a SMTU apresente aos servidores uma proposta de pagamento.

Publicidade
Publicidade