Publicidade
Manaus
Transporte

Justiça deve decidir impasse entre o Sinetram e o Sindicato dos Rodoviários

Em razão do não acordo nas negociações do dissídio coletivo 2016/2017 da categoria, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 11ª Região (AM/RR) designou audiência de conciliação e instrução do dissídio de greve para o próximo dia 11 de maio 29/04/2016 às 04:10 - Atualizado em 29/04/2016 às 15:57
Show capturar
Sindicalistas paralisaram ontem a tarde o Terminal do Jardim Petrópolis, de onde saem às linhas 612, 610, 608 (Antônio Lima)
Silane Souza Manaus (AM)

Em virtude do não acordo entre os sindicatos das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) e dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTR), em relação ao dissídio coletivo 2016/2017 da categoria, cuja data base é dia 1º de maio, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 11ª Região (AM/RR) designou audiência de conciliação e instrução do dissídio de greve para o próximo dia 11 de maio. Caberá a Justiça decidir o conflito.

A informação é do juiz Adilson Maciel Dantas. Conforme o magistrado, o sindicato profissional e o dos trabalhadores devem organizar-se de acordo com os percentuais estabelecidos, sendo certo que até o momento não houve informação de descumprimento da liminar, no processo, que estabeleceu que 70% da frota operasse normalmente nos horários de pico caso o Sindicato dos Rodoviários realizassem algum movimento paredista.

Ontem, pelo terceiro dia consecutivo, o Sindicato dos Rodoviários realizou uma paralisação nas atividades em retaliação ao não acordo nas negociações com o Sindicato Patronal. O ato aconteceu à tarde no Terminal do Jardim Petrópolis, de onde saem às linhas 612, 610, 608.

A mesma ação foi feita na terça-feira, quando os sindicalistas paralisaram quatro linhas da empresa viação São Pedro e deixaram cerca de 5 mil pessoas prejudicadas, e na também na quarta, quando paralisaram 14 linhas da empresa Líder Transportes, que atende bairros da Zona Norte, prejudicando mais de 15 mil pessoas.

O Sinetram informou que a liminar que a Justiça concedeu na segunda-feira continua em vigor. “O órgão já informou a Justiça sobre as paralisações que houveram na terça, quarta e ontem, agora cabe a Justiça fazer a parte dela”, destacou em nota. A reportagem não conseguiu contato com a diretoria do Sindicato dos Rodoviários.

A última reunião entre o Sinetram e o STTR ocorreu no dia 25, mas não houve acordo e as negociações devem continuar. Os sindicalistas pleiteiam um reajuste de 20%, porém, O Sinetram alega que com a grave crise econômica por que passa o sistema de transporte e o país, é muito difícil um reajuste, muito menos nesse nível.

Em nota a Prefeitura de Manaus informou que está tentando contornar diariamente junto aos rodoviários, tendo conseguido impedir duas greves gerais, nesta semana, a que estava agendada para terça-feira e a de ontem.  “O poder municipal tem buscado sempre o dialogo a fim de que a população não seja prejudicada por paralisações do transporte coletivo”.

Box

Representantes do Sinetram viajaram à São Paulo, ontem, na tentativa de renegociar empréstimos feitos pelas empresas que operam no transporte coletivo de Manaus. Desde 2011, as transações bancárias viabilizaram a compra de quase mil ônibus novos e o aporte de capital de giro para pagar despesas correntes. Atualmente, as empresas estão inadimplentes em algumas parcelas dos empréstimos.

De acordo com o presidente do Sinetram, Carmine Furletti, devido à grave crise por qual as empresas e o país estão passando, as concessionárias deixaram de realizar  o pagamento das dívidas para honrar compromisso com seus colaboradores e fornecedores.

“As empresas estão fazendo o possível para honrar seus compromissos, principalmente, com seus colaboradores e fornecedores. Porém uma série de fatores afeta o sistema de transporte coletivo de Manaus, o que tem impedido o pagamento das parcelas”, disse.

Segundo ele, a reunião com os representantes dos bancos e tentar fazer acordos, de modo que os veículos não sejam apreendidos e prejudique a população que depende do transporte coletivo.

Ainda de acordo com o presidente, dentre os empréstimos, há um junto ao banco sueco EKN, intermediado pelo Banco HSBC, em dólares. Além do presidente, o Sinetram será representado pelo diretor operacional, Algacir Gurgacz.

Publicidade
Publicidade