Publicidade
Manaus
Dia de reflexão

Manauenses entrevistados no Dia de Tiradentes veem legado do herói ameaçado

A história de Tiradentes está bem viva na memória das pessoas, já seu legado – a luta pela independência – encontra-se constantemente ameaçado. No dia que lembra o homem que lutou pela liberdade brasileira, A CRÍTICA foi a locais batizados com o nome dele saber o que pensam os manauenses 22/04/2016 às 11:07 - Atualizado em 22/04/2016 às 12:10
Show capturar1
O estudante Ronildo Pereira, 20, cursou o ensino médio na Escola Estadual Tiradentes, no bairro Petrópolis, Zona Sul (Márcio Silva)
Silane Souza Manaus (AM)

Na data em que se celebra o Dia de Tiradentes (21 de abril), em homenagem a Joaquim José da Silva Xavier, líder do movimento da Inconfidência Mineira, cujo objetivo era transformar o Brasil numa república independente de Portugal, A CRÍTICA visitou alguns lugares batizados com o nome dele em Manaus e constatou que a história desse brasileiro está bem viva na memória das pessoas. Porém, o legado é, ainda hoje, ameaçado, apontam os entrevistados.

O estudante Ronildo Pereira, 20, que cursou o ensino médio na Escola Estadual Tiradentes, no bairro Petrópolis, Zona Sul, enfatizou que Tiradentes foi e é uma figura emblemática da nossa história e serve de inspiração para a população buscar melhorias, principalmente nesse momento de turbulência na política brasileira. “Tiradentes lutou pela liberdade do País e nós devemos nos inspirar em seus verdadeiros ideais e no que ele fez no passado para lutarmos pelo nosso País nesse período de crise política”, observou.

Para a pedagoga Elcy Geraldo, 65, moradora do conjunto Tiradentes, na Zona Leste, a luta pela liberdade foi um legado deixado pelo líder da Inconfidência Mineira, no entanto, nos dias atuais ela é, de certa forma, restrita, principalmente por conta da insegurança. “Não estamos numa prisão, mas vivemos sempre preocupados com a falta de segurança dentro e fora de casa, com as ondas de assaltos... Até a igreja é cercada para não ser saqueada. Como pode isso? O sacrifício do Tiradentes foi para termos liberdade e hoje não temos”, pontuou.

Segundo Elcy, o conjunto Tiradentes foi construído por volta de 1978 para oficiais da Polícia Militar. Mas atualmente tem poucos militares morando no local, a maioria é civil.

Homenagem
Na rua Tiradentes, Compensa 1, Zona Oeste, o comerciante José Alberto da Silva, 50, filho de um dos “fundadores” da via, conta que ela recebeu o nome de Tiradentes porque foi aberta no dia 21 de abril de 1968. Ele conta que, na época, havia poucas casas, um caminho de barro e o local não tinha nome. Foi quando um grupo liderado pelo militar Manuel Barroncas se reuniu para limpar a área para que tivesse aspecto de rua. “Era só mato e eles, inclusive, meu pai, João Augusto da Silva, o Janjão, fizeram uma espécie de mutirão justamente no feriado de Tiradentes e, por isso, esse foi escolhido para ser o nome da rua”, revelou.

José ressalta que Joaquim José da Silva Xavier foi um dos precursores da independência do Brasil e deu até a sua vida pela liberdade do País, logo, tem uma enorme importância para todo o povo brasileiro. “Ele se envolveu na luta e deu a vida pela liberdade, mas hoje nossa democracia está ameaçado”, disse, referindo-se ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, em curso no Senado.

Blog - Raimundo Malheiro de França, 84 anos (Engenheiro Civil)

“Joaquim José da Silva Xavier recebeu o nome de Tiradentes por conta da profissão de dentista. Ele era uma pessoa que não se conformava com a exploração vivida pelo Brasil, que vivia sob o domínio de Portugal, e queria que a nossa pátria fosse livre, por isso, comandou o movimento conhecido como Inconfidência Mineira, ocorrido em 1789. Mas foi traído por um amigo e condenado à morte por traição à coroa portuguesa. Foi enforcado no dia 21 de abril de 1792, no Rio de Janeiro, e teve sua cabeça decapitada em praça pública, assim com seu corpo esquartejado. A praça onde morreu hoje tem o seu nome. Sei dessa história porque sou carioca e, no primário, a gente lia muito sobre Tiradentes. Vim para Manaus a trabalho e moro há 35 anos na rua Tiradentes, no Santo Agostinho, e, apesar de admirar o herói da Inconfidência, nunca soube o motivo desta homenagem”. 

Saiba mais

Tiradentes foi um dentista, comerciante, minerador, militar e ativista político brasileiro, que atuou na época do Brasil Colonial nas capitanias de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Ele ficou conhecido como herói nacional e um mártir da Inconfidência Mineira, e a data em que ele foi executado, 21 de abril, se transformou em feriado nacional em sua homenagem.

Publicidade
Publicidade