Publicidade
Manaus
Transporte público

Sindicato dos rodoviários suspende greve prometida para a próxima quarta-feira (23)

A greve seria considerada ilegal por causa de uma liminar expedida pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que proíbe qualquer paralisação 21/11/2016 às 21:35 - Atualizado em 21/11/2016 às 21:45
Show show 01
Os sindicalistas estavam prometendo greve desde a última sexta-feira, quando os ônibus pararam por cerca de duas horas na avenida Constantino Nery (Foto: Márcio Silva)
Luana Carvalho Manaus (AM)

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Manaus (STTRM) Givancir Oliveira informou que a paralisação de 70% da frota prometida para a proxima quarta-feira (23) foi suspensa até que a prefeitura marque uma reunião com os sindicalistas. A greve seria considerada ilegal por causa de uma liminar expedida Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que proíbe qualquer paralisação. 

Os sindicalistas estavam prometendo greve desde a última sexta-feira, quando os ônibus pararam por cerca de duas horas na avenida Constantino Nery e entorno do centro, prejudicando cerca de 250 mil usuários. As reivindicações da categoria são pelo aumento de salário para rodoviários e também pelos constantes assaltos e problemas de segurança nos ônibus.

“Iríamos manter a greve, estávamos dispostos. Mas estamos tentando uma reunião com o prefeito para ver se ele pode intermediar uma negociação. O prefeito ainda não confirmou, mas vamos seguir tentando antes de paralisarmos”, informou Givancir. 

O imbróglio entre os empresários e os rodoviários está nas mãos da Justiça do Trabalho. No entanto, a Defensoria Pública do Estado está disposta a interver caso a decisão não seja respeitada. De acordo com o defensor público Carlos Alberto Almeida Filho, especializado em Atendimento de Interesses Coletivos, qualquer paralisação seria ilegal, visto que irá prejudicar o direito dos consumidores. 

“O pedido de greve deles que solicitaram semana passada foi negado pela Justiça do Trabalho.  A greve dos servidores causa transtornos pros consumidores, acreditamos que é prejudicial aos consumidores e fizemos uma proposta de ação na justiça estadual. Mas o que a justiça comum compreendeu é  que quem deveria se manifestar seria a justiça do trabalho”. 

A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) foi procurada para falar sobre a possível greve e alternativas para reduzir os prejuízos à população, porém, a assessoria de imprensa não respondeu ao e-mail e não atendeu as ligações durante todo o dia de ontem. 

Sinetram não foi comunicado 

O  Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) informou ontem que não foi notificado sobre uma possível greve e que, caso haja alguma paralisação, o sindicato 
informará  a justiça, “o que pode gerar multa e prisão dos líderes sindicais em caso de descumprimento da ordem judicial”, informou por meio de nota.  

Além da prisão, o não cumprimento da decisão pode  resultará em multa de R$ 50 mil  por dia.

Publicidade
Publicidade