Terça-feira, 21 de Maio de 2019
IMPASSE

Sinteam rejeita proposta da Seduc para reajuste e promete paralisação na terça (2)

Professores da rede estadual que atuam em Manaus e são filiados ao Asprom Sindical também irão paralisar atividades nesta quinta-feira (28). Sindicato reivindica 15% para a data-base e secretaria oferece 4%



WhatsApp_Image_2019-03-27_at_18.10.06_393727B3-BDD0-4C5D-B151-469D2A0367B6.jpeg
Foto: Divulgação
27/03/2019 às 19:22

Assembleia geral realizada na tarde desta quarta-feira (27) pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) rejeitou a proposta de 4% de reajuste salarial oferecida pela Secretaria Estadual de Educação (Seduc). 

Segundo estimativas do Sinteam, mais de 1 mil trabalhadores participaram da reunião. A diretoria do sindicato disse que vai comunicar formalmente a decisão à Seduc nesta quinta-feira (28). “Nós mantivemos nossa proposta de 15% de reajuste e vamos dar continuidade às negociações", disse a presidente do Sinteam, Ana Cristina Rodrigues. 

A assembleia também aprovou paralisar as atividades na próxima terça-feira, dia 2 de abril, caso não haja uma resposta positiva até o dia 1°. Além dos 15% de aumento, o sindicato reivindica atendimento para os trabalhadores no interior,  ampliar o atendimento da Hapvida para os aposentados; segurança nas escolas das redes estadual e municipal; cobrar os valores e aprovação do auxílio-localidade;  auxílio alimentação por turno; auxílio transporte para todos sem o desconto de 6%; enquadramento horizontal automático - reduzir de 4 para 3 anos e enquadramento vertical imediato.

O Sinteam informou que os professores de Eirunepé, Parintins e Humaitá também rejeitaram a proposta do governo. Até sexta-feira, outros municípios realizam reunião para discutir a data-base.

O Sinteam disse ainda que vai encaminhar a pauta de reivindicações para a Secretaria Municipal de Educação (Semed) da Prefeitura de Manaus. A data-base da rede municipal vence no dia 1° de maio. Também defende reajuste de 15%, cumprimento do HTP, aumento do vale-alimentação, pagamento imediato da carga dobrada, enquadramento imediato, entre outras reivindicações.

Paralisação

Nesta quinta-feira (28), o Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom Sindical) realizará uma paralisação de advertência em frente à sede do governo, na Compensa, bairro Centro-Oeste, a partir das 8h. 

De acordo com o presidente da entidade, Lambert Melo, as negociações com os titulares da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Luiz Castro (Rede) e da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), Alex Del Giglio, se esgotaram e a categoria discorda da proposta de reajuste salarial de 4%. Segundo entidades sindicais, o percentual é insuficiente para ganhos reais de servidores públicos.

“Ele informaram que a proposta é a máxima e não tem como avançar. Essa proposta foi rejeitada pela categoria em assembleia geral que considerou indigna e indecente e continuamos reivindicando os 15% de reajuste e ganhos reais. Queremos que o governador tenha sensibilidade, recebe a comissão do sindicato, ouça às reivindicações e apresente a sua visão e uma proposta melhor para a categoria”, explicou Lambert.

Outro lado

A assessoria de imprensa da Seduc, informou, por meio de nota, que mesmo ultrapassando o limite máximo permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) com o pagamento de pessoal, vai cumprir a data-base dos servidores da educação, com reajuste salarial de aproximadamente 4%.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.