Quarta-feira, 22 de Maio de 2019
SARAMPO

Aumenta para 98 o número de casos suspeitos de sarampo em Manaus

Segundo a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), aumento já era esperado. Órgão começou uma busca retrospectiva em pacientes atendidos pela rede estadual nos últimos dois meses e encontrou oito casos suspeitos



srampo.jpg
Foto: Reprodução/Internet
03/04/2018 às 16:31

Subiu para 98 o número de casos notificados de sarampo em Manaus. Do 103 casos notificados, quatro foram confirmados e um foi descartado. As informações são do boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) nesta terça-feira (3).

O boletim epidemiológico emitido pela Semsa no último dia 29 de março apontava a notificação de 58 casos de sarampo na capital. O aumento, de acordo com o diretor-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), Bernardino Albuquerque, já era esperado.

“Isto ocorre devido à forma de transmissão. O vírus do sarampo se transmite como o da gripe, muito facilmente. Seis dias antes de aparecem as manchas no corpo de um paciente com a doença, que é quando normalmente buscam atendimento em uma unidade de saúde, esta pessoa já está transmitindo o vírus. Por isso, a única arma que temos é a vacinação”, explicou Bernardino.

LEIA MAIS - Sarampo: tire suas dúvidas sobre sintomas, prevenção e vacina contra doença​

Retrospectiva encontra casos suspeitos

A FVS-AM está realizando uma busca retrospectiva de casos suspeitos de sarampo, atendidos nas unidades da rede estadual, em Manaus. O objetivo, de acordo com o secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, é coletar amostras para investigação da cadeia de transmissão da doença.

Um total de 15.262 prontuários de pacientes atendidos no período de fevereiro a março deste ano foi revisto pelas equipes da FVS, até a segunda-feira (2). Destes, oito foram detectados como casos suspeitos da doença e já constam no boletim divulgado nesta terça-feira.

O secretário Francisco Deodato explica que a investigação dos prontuários é importante para identificar a cadeia de transmissão do vírus. “Há 18 anos o Amazonas não registrava casos de sarampo, que voltaram a ocorrer, após surto da doença em Roraima. Há, portanto, a necessidade de se estabelecer a cadeia de transmissão do vírus”, afirmou.

O diretor-presidente da FVS-AM ressalta que o trabalho consiste em identificar, através dos prontuários, os sinais e sintomas de pessoas que foram atendidos nesse período, com doenças exantemáticas (que produzem manchas vermelhas pelo corpo) e, dessa forma, fazer a investigação e também realizar a coleta de amostras destes pacientes.

Bernardino Albuquerque adiantou que já foram identificados, nas ações, oito pacientes que podem ser considerados como casos suspeitos. “Desses, quatro já tiveram material coletado e os outros quatros serão coletados nesta terça-feira. Além disso, está sendo executado o bloqueio vacinal”, detalhou.

As equipes estão realizando a busca retrospectiva no Hospital e Pronto-Socorro (HPS) da Zona Norte, HPS 28 de Agosto, HPS Platão Araújo, Centro de Atenção Integral à Criança (Caic) Paulo Xerez e nos Serviços de Pronto Atendimento (SPAs) Enfermeira Eliameme Rodrigues Mady, São Raimundo e Coroado.

Interior

A busca retrospectiva deverá ser realizada também em municípios do interior, conforme haja notificação de casos suspeitos da doença. Em Humaitá, que tem um caso notificado para sarampo, referente a uma criança de um ano, a busca terá início nesta semana, e será realizada pela própria equipe da Secretaria Municipal de Saúde.

Nesta quarta-feira (04/04), técnicos da  FVS realizam “Treinamento para Casos Suspeito de Sarampo”, em Humaitá, município a 590 quilômetros de Manaus. A capacitação visa à atualização e sensibilização dos profissionais de saúde em relação à doença, prevenção e monitoramento de casos suspeitos.

*Com informações da assessoria de imprensa.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.