Terça-feira, 21 de Maio de 2019
Manaus

SSP-AM vai colocar policiais descaracterizados nas ruas para inibir assaltos em Manaus

De acordo com o Secretário de Segurança Pública, a nova operação pretende levar ‘intranquilidade’ aos criminosos



1.jpg
Paradas de ônibus, como as da Zona Centro-Sul, são alguns dos pontos estratégicos que são alvo da operação Pescador
10/07/2015 às 08:59

Policiais à paisana em viaturas descaracterizadas, alocados em zonas e pontos estratégicos, em especial aqueles com maior incidência de roubos, fazem parte da nova linha de ação da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP/AM) em ofensiva lançada ontem contra assaltos e a “microcriminalidade”. Batizada de “Operação Pescador”, a iniciativa reunirá agentes da polícia, até mesmo os que atualmente estão em funções administrativas, para somar forças contra roubos praticados em pontos de ônibus, coletivos e vias públicas, em grande parte realizados por bandidos que usam motocicletas e veículos roubados.

Na primeira ação, que iniciou no final da tarde de ontem, e entrou na madrugada de hoje, foram usadas 40 viaturas descaracterizadas e 140 homens à paisana para surpreender a atuação dos bandidos. Os resultados da primeira ação serão divulgados hoje, às 14h, em entrevista coletiva na sede da SSP/AM. A “Operação Pescador” se repetirá semanalmente, em dias, horários e locais que não serão divulgados. O Grupo FERA, o COE, a Rocam e dois helicópteros do sistema de segurança estão integrados na operação, com efetivos das polícias Civil e Militar.

De acordo com o secretário de Segurança Pública, Sérgio Fontes, além de garantir mais segurança ao cidadão comum, a meta da ação é proporcionar “intranquilidade” aos bandidos. “Nosso objetivo é tirar a tranquilidade do criminoso sem que ele saiba onde nós estaremos e em que momento agiremos”, afirmou. “É uma operação planejada como forma de cobrir toda a cidade de Manaus, em locais estratégicos, dando tranquilidade à nossa população e tirando a facilidade de infratores que perturbam a rotina da nossa cidade”, disse.

Cidade mapeada

A operação tem como base os índices de assaltos por zonas e os horários em que são praticados com mais frequência. A SSP/AM sabe, por exemplo, que 40% dos roubos praticados nas Zonas Sul e Centro-Oeste ocorrem à noite. Nas Zonas Norte e Leste, 36% e 33% dos roubos, respectivamente, também ocorrem à noite. Já na Zona Centro-Sul, quase 30% dos assaltos são praticados à tarde e 24% pela manhã. Os índices nortearão a atuação dos policiais. A Região Metropolitana de Manaus (RMM) será alcançada pela “Operação Pescador”, especialmente Iranduba, destino frequente de bandidos em fuga.

Monitoramento será ampliado

A Secretaria de Segurança Pública fará, ainda este mês, um “chamamento público”, por meio de edital, para que pessoas jurídicas passem a integrar o sistema de monitoramento de segurança feito por câmeras e gerenciado pelo Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops).

O titular da SSP/AM, Sérgio Fontes, admite que, atualmente, as 232 câmeras espalhadas pela cidade e monitoradas pelo CICC não são suficientes para cobrir toda a capital. “Há locais que não alcançamos, especialmente na periferia, por causa da fibra ótica”, justificou ele.

A inclusão do monitoramento feito por empresas, condomínios e bancos, cujas câmeras, muitas vezes, captam a movimentação em via pública, vai auxiliar o sistema de segurança a ampliar a capacidade de vigilância. “Isso vai triplicar nosso monitoramento por câmera”, disse Sérgio Fontes. O acordo com as empresas será feita por convênio.

Todos Na rua

O efetivo empregado na primeira fase da “Operação Pescador” é composto por policiais Civis e Militares que atuam em órgãos da SSP/AM, como a Corregedoria-Geral, Ouvidoria-Geral, Instituto de Ensino e Segurança Pública e Secretarias Adjuntas de Inteligência, Operações e Planejamento.



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.