Publicidade
Manaus
ZONA NORTE

SSP cumpre 34 mandados judiciais durante operação contra crimes na Zona Norte

Polícias Civil e Militar, e mais equipes da Secretaria de Segurança Pública, prendem acusados e buscam e apreendem materiais 01/03/2018 às 11:15 - Atualizado em 01/03/2018 às 15:15
Conceição Melquiades Manaus (AM)

Uma força tarefa da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), que reúne as polícias Civil e Militar, foi deflagrada na manhã desta quinta-feira (1º), em Manaus, com objetivo de cumprir 34 mandados judiciais, de prisão e de busca e apreensão, em bairros da Zona Norte da capital. É a Operação Jejuardes, que conta com 300 policiais, viaturas e helicóptero.

Ao todo, três pessoas foram presas. 

José Augusto Campos Santos, 41, o "Guto", foi pego com mandado de prisão por homicídio, e Carlos Bruno da Silva Gomes, 29, o "Buba", preso também por mandado judicial pelo crime de roubo. No conjunto Renato Souza Pinto, Cidade Nova, os policiais prenderam, em flagrante, Elita Lima de Souza, 36, com uma pistola 9 mm, munições, balança de precisão, cordões, relógios e a quantia de R$ 7,4 mil em espécie. A mulher é esposa do homicida Julison Correa de Carvalho, conhecido como "Julinho do Areal", preso desde 2012 no sistema prisional do Estado.

Com a presença do vice-governador e secretário da SSP, Bosco Saraiva, do delegado-geral de Polícia Civil, Mariolino Brito, e do comandante-geral da PM, coronel David Brandão, as equipes saíram em comboio às 9h da Bola do 23, no bairro Cidade Nova, dando início às buscas. A primeira incursão foi feita na comunidade Nossa Senhora de Fátima, onde uma barricada de pneus usada por traficantes como observatório foi incendiada e destruída. Muros das casas também foram vistoriados.


Foto: Jander Robson

“Estamos devolvendo a paz para a comunidade, restabelecendo a ordem. Precisamos mostrar para os marginais que esta cidade tem ordem”, disse o secretário de Segurança Pública, Bosco Saraiva. “Todos os bairros terão a ação da Polícia Militar e da Polícia Civil. Nossas ações são pontuais, já que o monitoramento por meio de drones é feito para revelar os pontos que o homem teria maior dificuldade para chegar”,  explicou o secretário.

O delegado-geral, Mariolino Brito, informou que o objetivo da ação é desarticular a ação dos bandidos e com isso diminuir a violência oriunda de guerra de facções. “Nosso trabalho é diário e para esta ação de hoje não foi paralisado nenhum serviço ordinário da polícia.


Foto: Jander Robson

Um morador da rua Galiléia, da comunidade Nossa Senhora de Fátima, disse que a polícia precisa fazer este tipo de ação semanalmente. “No início desta semana teve o maior tiroteio aqui. Eu tenho filhos que vão à escola e não vou colocar a vida deles em risco com bala perdida”, disse Valdecir Pereira Santos.

A comerciante Helena Soares, também falou que prefere ver um monte de policiais na rua do que os traficantes com fuzis e pistolas apontando para a população. “Eu tenho medo de andar na rua, medo de ser morta com uma bala desses bandidos ué ficam atirando lá de cima do morro”, relatou.


Foto: Jander Robson

Publicidade
Publicidade