Segunda-feira, 09 de Dezembro de 2019
HOSPITAL FRANCISCA MENDES

Susam descarta paralisação em hospital, mas médicos prometem anular cirurgias

Pelo menos 20 cirurgiões cardíacos e da UTI Pós-Cirúrgica afirmam que cruzarão os braços por conta do atraso de salários. Susam diz que pagamentos serão agilizados



show_francisca_mendes.JPG Hospital é referência na região na realização de cirurgias cardíacas (Foto: Arquivo/AC)
08/08/2017 às 18:03

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) descartou a possível paralisação dos médicos do Hospital Francisca Mendes, no entanto, os profissionais afirmam que a mobilização está mantida para o dia 14 de agosto. Pelo menos 20 cirurgiões cardíacos e da UTI Pós-Cirúrgica afirmam que cruzarão os braços por conta do atraso de salários.

De acordo com a Susam, o secretário de saúde do Amazonas, Vander Alves, informou que está cuidando pessoalmente do assunto. A pasta disse que o secretário se reuniu com os profissionais no hospital e se comprometeu em agilizar os pagamentos, “ficando acordado que não haverá paralisação nem prejuízo ao atendimento dos pacientes”, disse a secretaria por meio de nota.



Apesar disso, os médicos afirmam que o acordo com o órgão é somente em relação aos cirurgiões, perfusionistas e instrumentadores, que terão os meses de abril e maio pagos. “Não nos deram nenhuma posição dos plantonistas da UTI. Estamos desde fevereiro sem receber”, disse um profissional, que não quis se identificar.

Ainda segundo ele, apenas os serviços de urgência, emergência e pacientes internados serão mantidos. “Como não receberemos pacientes eletivos, as cirurgias também têm que parar. Um setor depende do outro. Sem UTI não tem cirurgia”.

Ele ressalta que a paralisação está mantida para o dia 14 de agosto.

A reportagem aguarda um novo posicionamento da Susam sobre a paralisação.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.