Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2020
HISTÓRICO

Suspeito de matar policial em invasão foi solto da cadeia em fevereiro deste ano

Fábio Barbosa de Souza, “Índio”, está sendo procurado. Ele era detento da Unidade Prisional do Puraquequara e condenado por tráfico de drogas, mas foi liberado em fevereiro deste ano



WhatsApp_Image_2017-06-01_at_12.13.57.jpeg Denúncias podem ser feitas pelos telefones 181 ou 190 (Foto: Aguilar Abecassis)
01/06/2017 às 12:50

A Polícia Civil divulgou hoje a foto de um homem que está sendo procurado por ser um dos suspeitos de matar o policial militar Paulo Sérgio Portilho, na última sexta-feira (26), na invasão Buritizal Verde, na Zona Norte de Manaus. O homem foi identificado como Fábio Barbosa de Souza.

Inicialmente identificado apenas pela alcunha de “Índio”, ele teve o nome completo revelado hoje durante coletiva de imprensa das forças de segurança pública que conduzem a investigação. Segundo o delegado Juan Valério, titular da Delegacia de Homicídios (DEHS), “Índio” é natural de Tefé e tem passagem pelo sistema prisional por tráfico de drogas.



De acordo com o delegado, “Índio” estava preso desde 2013 na Unidade Prisional do Puraquequara, mas recebeu alvará de soltura em fevereiro deste ano. Três meses depois, ele é apontado como peça-chave na morte do policial Portilho.

Segundo o delegado, “Índio” foi quem avistou o soldado ainda do lado de fora da invasão, quando ele parou a moto dele na entrada da área e perguntou sobre terrenos disponíveis. "Quando o ‘Índio’ o identificou ele já foi falando: 'é polícia, é polícia'. E foram levando o policial e o renderam", relatou o delegado.

Segundo ele, já foram feitas procuras pelo suspeito em portos para ver se ele não fugiria para sua cidade natal. Denúncias podem ser feitas pelos telefones 181 e 190. Não é necessário que o denunciante se identifique à polícia. 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.