Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019
Manaus

Suspeitos de latrocínio cruel no rio Negro usaram dinheiro para ‘ficarem bonitos’ durante Natal

Dois navegadores foram mortos esfaqueados e tiveram corpos jogados nas águas do rio. Quatro envolvidos roubaram R$ 3 mil das vítimas e usaram dinheiro para embelezamento. Três foram presos, mas a polícia procura pelo mandante



1.gif Os três suspeitos já presos: Huerdeson, José Domingos e Warleson
06/01/2015 às 15:57

A Polícia Civil do Amazonas apresentou na manhã desta terça-feira (6) o terceiro suspeito de participar de um latrocínio (roubo seguido de morte) que vitimou dois navegadores no rio Negro, na zona rural de Manaus, no último dia 19 de dezembro. Com essa prisão, a polícia já capturou três envolvidos nos assassinatos, mas ainda procura pelo mandante do crime.

O terceiro suspeito, Huerdeson Paulino de Melo, 22, também conhecido como “Moicano”, foi encontrado no porto do município de Itacoatiara, a 176 quilômetros de Manaus. Ele confessou participação nas mortes de Antônio Marcos Campino de Lima, de 23 anos, o “Marquinhos”, e de José Luiz de Souza, de 51. As vítimas foram mortas com requintes de crueldade.

Tanto Antônio Marcos quanto José Luiz foram esfaqueados e tiveram os corpos jogados nas águas do rio Negro, mas Antônio ainda foi decapitado e esquartejado da cintura para baixo. Agora os policiais civis estão à procura de Walber Brito do Nascimento, o “Binho”, que foi quem planejou o latrocínio. Além de Huerdeson, os outros dois suspeitos também confessaram envolvimento.

Crime

O crime ocorreu no dia 19 de dezembro, mas os corpos das vítimas foram encontrados pelo Corpo de Bombeiros somente três dias depois, no dia 22 de dezembro. Os corpos estavam boiando nas águas do rio Negro, próximo à comunidade Paraná do Moura, região conhecida como “Suvaco da Cobra”, e também perto das comunidades Aruau e Mipindiaú, todas na zona rural de Manaus.

Desde quando foram dados como desaparecidos, na noite do dia 20 de dezembro, as vítimas eram procuradas pelos bombeiros. O primeiro indício de crime a ser encontrado foi o barco das vítimas, a embarcação Canário do Rio Negro, encontrada ainda no dia 20, à noite, próximo do “Suvaco da Cobra”, com vestígios de sangue e sem ninguém dentro.

Vítimas: Antônio Marcos, 23, e José Luiz, 51

Dois dias depois, perto dali, foram achados os corpos. As duas vítimas, Antônio Marcos e José Luiz, trabalhavam vendendo combustíveis, produtos alimentícios, peixes e gelo pelas comunidades da região da zona rural de Manaus e pelo município de Novo Airão, a 115 quilômetros de Manaus. As duas vítimas moravam em Novo Airão, na comunidade Santa Maria.

O filho de José Luiz, Lucenildo Souza, 25 anos, disse que o pai teria sido executado no interior do barco devido os sinais de perfuração na cabeça das vítimas e às manchas de sangue no local. “Acho que ele chegou a lutar com os criminosos, pois havia sangue em vários pontos do barco e a mercadoria estava toda espalhada pelo barco”, contou.

Prisões

Desde o encontro dos corpos, familiares informaram à polícia que cinco homens já haviam sido vistos, dias antes do crime, circulando as residências de Antônio Marcos e José Luiz. A partir daí, investigadores da 4ª Seccional Oeste da Polícia Civil iniciaram diligências e conseguiram prender os dois primeiros suspeitos.

No dia 26 de dezembro, uma semana depois do crime, foram presos José Domingos Souza Mendes, 22, o “Mucambo”, e Warleson Paulino Bastos, 27, o “Meireles”. Eles foram capturados em Novo Airão e confessaram o crime com riqueza de detalhes. Segundo a polícia, Warleson é irmão de Huerdeson. Todos afirmaram que o crime foi arquitetado por “Binho”.


José Domingos, o “Mucambo”, e Warleson

Conforme a Polícia Civil, os suspeitos afirmaram que tinham a intenção de roubar e matar quem estivesse dentro do barco. Eles se reuniram e planejaram o crime. Segundo a delegada Suely Costa, da 4ª Seccional, os criminosos conheciam as vítimas e ainda sabiam horários e locais por onde a embarcação passava, além de que havia dinheiro no barco.

Os quatro suspeitos do crime estavam em duas canoas e abordaram o barco Canário do Rio Negro após fazerem um sinal levantando um balde com as mãos, fingindo querer comprar combustível. Eles mataram as vítimas e roubaram R$ 3 mil, combustíveis, oito litros de aguardente de cana e peças mecânicas do barco. A polícia encontrou uma espingarda calibre 20, usada no crime, e recuperou R$ 205.

Confissão

O terceiro suspeito capturado pela polícia, Huerdeson, foi pego no porto de Itacoatiara, em um barco de pesca onde conseguiu um trabalho. Ele afirmou que “Binho” foi o mandante do crime, quem mandou esquartejar as vítimas para que os corpos não fossem encontrados e quem tinha todas as informações sobre trajeto e itinerário do barco Canário do Rio Negro.


Walber Brito Nascimento, o “Binho”

Huerdeson disse que dos R$ 3 mil roubados das vítimas, ele ficou com R$ 700, usados para pintar o cabelo, tirar a sobrancelha e comprar roupas “do Natal”. Segundo Huerdeson, todos os quatro suspeitos queriam “ficar bonitos”, eles não queriam “ficar feios durante o Natal”. Huerdeson disse ainda que, com o dinheiro, custeou várias pizzas para pessoas.

A polícia procura agora por “Binho”. Quem souber do paradeiro deles pode ligar para Seccional Oeste ou 19º Distrito Integrado de Polícia pelos números: 3673-5335 e 3625-4343, respectivamente, ou para o número 181, o disque-denúncia da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). A polícia garante o sigilo da identidade dos informantes.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.