Publicidade
Manaus
Manaus

Tam reduz número de voos semanais de Manaus para Miami

Companhia Latam redefine malha de voos internacionais de acordo com o movimento de cada rota, e Manaus perdeu uma  20/10/2015 às 09:38
Show 1
As duas companhias formam a Latam e priorizam mercados mais aquecidos
acritica.com ---

O grupo Latam Airlines, formado pela fusão da brasileira TAM com chilena LAN, redefiniu sua malha de voos internacionais, priorizando mercados em que a demanda está mais aquecida. Entre os ajustes anunciados, o grupo cortou voos que partem de Belo Horizonte e Manaus, mas ampliou as frequências a partir de Fortaleza e Brasília.

“A dimensão do grupo, presente em diversos países da América Latina, nos permite abrir novas rotas mais promissoras, realizar remanejamentos estratégicos e, ainda, promover readequações nos mercados onde há retração da demanda”, afirmou, em comunicado, a presidente da TAM, Claudia Sender.

A TAM cancelou a rota de Belo Horizonte para Miami, que tinha três frequências semanais, a partir de março de 2015. A empresa também reduziu de cinco para quatro voos semanais a linha Manaus-Miami. Já o voo de São Paulo para Orlando perderá quatro das atuais 11 frequências semanais. A empresa vai aumentar de três para sete os voos semanais de Brasília para Orlando, fortalecendo seu centro de conexões (hub) no aeroporto da capital federal.

Outro reforço será feito na linha entre São Paulo e Barcelona, que será diária a partir de junho de 2016. A Latam anunciou novas rotas a partir da Colômbia e do Peru para diferentes países latinos, entre eles o Brasil, em uma tentativa de aproveitar o crescimento econômico na região. A empresa também reafirmou seu interesse em lançar, em 2016, um voo de São Paulo para Johannesburgo.

Compartilhamento

Nove aeroportos administrados pela Infraero poderão ter um sistema de check-in compartilhado pelas empresas aéreas. A intenção da Infraero é fazer uma licitação para selecionar uma empresa de tecnologia para administrar esses espaços e prestar serviço às companhias aéreas, que deixarão de ter guichês exclusivos por empresa.

O projeto faz parte dos planos da estatal brasileira de reequilibrar suas contas, que estão deficitárias após a privatização de grandes aeroportos, como Guarulhos e Brasília. O projeto em análise contempla os aeroportos de Congonhas, Santos Dumont, Curitiba, Recife, Goiânia, Cuiabá, Belém, Manaus e Maceió.

Check-in

De acordo com o diretor de Aeroportos da Infraero, Marçal Goulart, os estudos para compartilhamento de check-in entre companhias devem estar prontos até o fim do ano. “O compartilhamento da estrutura poderá trazer um ganho de eficiência entre 20% e 25%”, estimou. A Infraero ainda está estudando qual o melhor formato para licitar esses espaços. A estatal ainda não definiu, por exemplo, se fará uma licitação para essa administração ou se os dividirá em lotes, de acordo com Goulart.


Publicidade
Publicidade