Publicidade
Manaus
CAMPANHA

Teatro Amazonas é iluminado com cor amarela em alusão à prevenção do suicídio

Evento reúne associações, a Defensoria Pública do Estado (DPE) e ONGs. Segundo médica psiquiatra Alessandra Pereira, 90% dos casos estão atrelados aos transtornos psiquiátricos 10/09/2017 às 19:01
Show amarelo
Teatro Amazonas recebeu campanha para marcar data comemorada mundialmente (Foto: Clóvis Miranda)
Geizyara Brandão Manaus (AM)

Mais de 90% dos casos de suicídios estão atrelados aos transtornos psiquiátricos, segundo a médica psiquiatra Alessandra Pereira, que faz parte da Associação Amazonense de Psiquiatria (AAP). Em alusão à prevenção do suicídio, o Teatro Amazonas foi iluminado neste domingo (10) com a cor amarela reunindo associações, Defensoria Pública do Estado (DPE) e ONGs para fazer a conscientização da data que é comemorada mundialmente.

"Esse é o segundo ano que a AAP encampa esse movimento mundial. Nós temos um trabalho de prevenção em todo o mundo, onde nós estamos abordando a população para conscientizar sobre o suicídio. O objetivo da campanha é que as pessoas compreendam que a forma de previnir o suicídio é o tratamento adequado", explicou Pereira.

Em relação às políticas públicas para a prevenção a médica destaca que são poucas as ações efetivas. "O que nós temos que investir é na atenção primária, porque está comprovado cientificamente que a grande maioria das pessoas, pelo menos 80%, um ano antes de cometer o ato suicida procurou um serviço de saúde", contou.

O diretor do núcleo de saúde da DPE, Arlindo Gonçalves, relata que as demandas que chegam até o órgão tem sido crescente no que se trata de saúde mental. "É uma situação um pouco delicada, porque as pessoas pedem internação compulsória e a internação deveria ser a exceção e não a regra", assegurou.

O presidente da AAP, Cleber Naief evidenciou a queda dos leitos no Sistema Único de Saúde (SUS), principalmente os psiquiátricos. "O Amazonas possui 20 leitos para quatro milhões de pessoas, enquanto a regra da Organização Mundial de Saúde (OMS)  é que seja um para cada mil", afirmou.

Sociedade Civil

Uma das integrantes do Núcleo de Apoio à Vida, Luziane Costa, explica que a ONG já atua no Amazonas e que em breve terá uma sede física.  A demanda, segundo ela, surgiu da necessidade de atender jovens e adolescentes que estão entre as estatísticas de vítimas do suicídio. "O Centro de Valorização à Vida já existe no Brasil há 55 anos. [...] No grupo a qual eu pertencia, eu era a única da nossa região. Nós nos unimos com a finalidade de abrir o Núcleo de Apoio à Vida em Manaus", disse.

A expectativa é que o Núcleo seja implantado ainda este ano.

O Teatro Amazonas, no Centro Histórico de Manaus, recebeu no final da tarde deste domingo (10) a iluminação amarela por conta da conscientização da prevenção ao suicídio que tem lançamento no dia de hoje em todo o País.

Outras ações

Na manhã de hoje, o Calçadão da Ponta Negra, localizado na Zona Oeste da cidade, recebeu a campanha " Viver vale a pena. Suicídio nunca" e contou com serviços de atendimento psicológico, nutricional e farmacêutico, que contou com integrantes do projeto "Farmacêuticos em Ação" do Conselho Regional de Farmácia do Amazonas (CRF-AM).

A presidente do CRF-AM, Ednilza Guedes, destacou que alguns casos de suicídio são causados pela auto-medicação, como o caso de elevadas quantidades de psicotrópicos. "Nosso papel é levar ao conhecimento da sociedade a importância de se viver bem, com qualidade de vida, cuidando da alma corpo e mente. Essa campanha prioriza a vida do ser humano e defendemos qualidade de vida saudável, por isso nos identificamos com ela", destacou.

"A importância de ações como essa são as estatísticas que a gente tem hoje, que são alarmantes, de vítimas do suicídio", ressaltou a farmacêutica Lucimar Fernandes, uma das coordenadoras da campanha. De acordo com ela, o suicídio faz mais vítimas do que a Aids e vários tipos de câncer. "mesmo assim muitas pessoas não discutem o assunto e tem medo de encarar as doenças psicológicas que muitas vezes levam à morte", disse.

Fernandes frisou que o objetivo da campanha é o esclarecimento e a informação da prevenção para que haja a diminuição do número de estatísticas.

Publicidade
Publicidade