Publicidade
Manaus
Manaus

Técnico em refrigeração é morto a tiros no Petrópolis, em Manaus

Vítima teria sido morta porque denunciou traficante à polícia. Equipes da DEHS investigam o caso 28/09/2014 às 15:27
Show 1
Familiares velaram corpo de Fausto Brandão da Silva neste domingo (28)
JOANA QUEIROZ Manaus (AM)

Familiares do técnico em refrigeração Fausto Brandão da Silva, 50, morto neste final de semana em Manaus, temem pela própria segurança. A vítima foi executada com cinco tiros de arma de fogo por volta 15h30 de sábado (27), na porta de casa, na rua 1, rip-rap do beco Raquel, bairro de Petrópolis, Zona Sul.

Testemunhas atribuíram a autoria do crime a um homem identificado como “Danilo”, e a família há suspeita de que o mandante do crime seja um traficante de drogas que atua na região, identificado apenas como “Filho”. O pistoleiro, “Danilo”, teria chegado a pé, apontado a arma em direção a vítima, dito “vou te matar agora” e em seguida atirado.

Ao ser alvejado, Fausto caiu e saiu se arrastando para dentro de casa. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu. Familiares contaram que pela manhã a vítima já tinha sido agredida pelo traficante. “Ele (Fausto) estava aqui, falando ao celular com uma cliente, quando ‘Filho’ aproximou-se dele e o agrediu com um soco no rosto”.

Conforme familiares, o traficante “Filho” desconfiava que a vítima havia o denunciando à polícia, e fez ameaças contra ele. Fausto chegou a acionar a polícia, tanto que uma viatura esteve no local fazendo buscas para prender o traficante. Parentes de Fasuto também disseram que assim que a polícia saiu, o pistoleiro “Danilo” chegou e executou Fausto.

A polícia retornou ao local, mas não conseguiu prender o mandante e nem o pistoleiro. Policiais não descartam a possibilidade do crime ter sido motivado por vingança. A partir desta segunda-feira (29), o crime começa ser investigado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

Na vizinhança onde morava, Fausto era conhecido por ficar alterado todas as vezes consumia bebida alcoólica. Ele já havia sido agredido outra vez por um vizinho, quando Fausto reclamou da fumaça do lixo que o vizinho estava queimando no próprio quintal.

Publicidade
Publicidade