Publicidade
Manaus
Funcionários terceirizados

Técnicos de enfermagem do Pronto-Socorro João Lúcio protestam por salários atrasados

Os funcionários terceirizados do pronto-socorro da Zona Leste de Manaus estão há dois meses com os salários atrasados 25/08/2016 às 10:54 - Atualizado em 25/08/2016 às 13:24
Show sdgasdf
Pelo menos 200 técnicos, que prestam serviço na unidade, estão sem receber (Foto: Winnetou Almeida)
Alik Menezes Manaus (AM)

Um grupo de técnicos de enfermagem, que prestam serviço no Hospital Pronto-Socorro João Lúcio, na Zona Leste, fizeram uma manifestação na manhã desta quinta-feira (25) para cobrar o pagamento dos salários atrasados e ameaçam parar as atividades caso não recebam.

De acordo com a técnica em enfermagem Mileide Braga, 33, os pagamentos estão atrasados há dois meses e as empresas terceirizadas Salvare e Total dizem que não há previsão de quando os funcionários irão receber porque a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) não repassou a verba. “A gente liga para lá e eles só dizem que não tem previsão”, disse.

Pelo menos 200 técnicos, que prestam serviço na unidade, estão sem receber. A técnica disse, também, que a empresa só está depositando os 26 vales transporte para os funcionários irem trabalhar. “É um absurdo, nós temos contas para pagar, precisamos viver. O único depósito que fazem é no vale transporte porque não querem que a gente pare de trabalhar”, disse.

Os técnicos afirmam que os atrasos salariais acontecem desde o mês de julho do ano passado. Mesmo sob ameaças de demissão, eles afirmam  que só voltam a trabalhar quando receberem os pagamentos. “A empresa disse que quem mostrar o rosto na manifestação vai ser demitido, mas nós só vamos trabalhar agora quando pagarem nosso salário”.

Em nota, a  Secretaria Estadual de Saúde (Susam) informou que recebeu a confirmação da Secretaria de Fazenda (Sefaz) de que os pagamentos pendentes já estão programados para serem realizados nesta sexta-feira (26). A direção do Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio ressalta que o atendimento, durante a manifestação, não foi prejudicado.

Publicidade
Publicidade