Domingo, 26 de Janeiro de 2020
Cotidiano, Urbanização, Arborização, Semmas

Tecnologias para avaliar deterioração das árvores são testadas em Manaus

Aparelhos que avaliam árvores internamente serão usados durante aula prática do Treinamento em Diagnóstico e Análise de Risco de Queda de Árvores, promovido pela Semmas



1.jpg Aparelho permite uma avaliação precisa do "estado de saúde" das árvores
19/04/2012 às 11:25

A avaliação de forma mais exata da situação da biodeterioração de árvores, será a atividade de campo que acontecerá nesta quinta-feira (19), a partir das 14h30, como uma das atividades práticas do Treinamento em Diagnóstico e Análise de Risco de Queda de Árvores, que vem  sendo promovido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), envolvendo técnicos dos órgãos municipais e de instituições que lidam com o manejo da arborização urbana em Manaus.

O treinamento teve início na última segunda-feira (16) e se estenderá até esta sexta-feira (20), com um total de 33 participantes.



O curso, de acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Marcelo Dutra, é mais uma oportunidade de aprimoramento nas técnicas de manejo da arborização urbana, visando o aperfeiçoamento das técnicas e a melhoria da qualidade da prestação do serviço de arborização feito pela prefeitura.

As aulas estão sendo ministradas pelos biólogos Sérgio Brazolin e Vinicius Felix Pacheco, pesquisadores do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), de São Paulo.

Além dos técnicos da Semmas, o curso reúne representantes da Secretaria Municipal de Limpeza Pública  (Semulsp), Ministério Público do Estado (MPE/AM), Amazonas Energia, a empresa especializada em podas D5, o Instituto Federal de Educação do Amazonas (Ifam), a Eletrobras e a terceirizada Eletroinstalações.

O biólogo Sérgio Brazolin explica que o fato de a concessionária Amazonas Energia estar no curso é um aspecto positivo, pois denota que existe uma preocupação.

“Se você deixa a árvore sem a arquitetura natural, com podas feitas de forma equivocada, além de tornar o aspecto visual horrível, acaba se impedindo que a árvore preste os serviços ambientais para a cidade, e essas práticas têm que ser evitadas”, observou. Segundo o especialista, a prática inadequada de podas também contribui para a possibilidade de queda e morte do indivíduo arbóreo.

“Existem espécies que não suportam podas exageradas. Um exemplo é o pau pretinho, que está sendo utilizado na arborização urbana de Manaus”, afirmou. Ele ressalta que podas que desequilibram e jogam o peso da árvore para um lado podem favorecer a queda do exemplar.

O treinamento, na opinião do pesquisador, vai permitir uma padronização de critérios para o melhor manejo da árvore, remoção e corte, com a produção de laudos mais consistentes e menos subjetivos.

“É preciso enxergar a árvore como uma estrutura, não olhando só os defeitos e sim como ela supera os defeitos, baseado em novas tecnologias e conceitos de biodeterioração para tomar decisão sobre a necessidade de cortar e podar”, afirmou.

Investimentos
“Observar os aspectos da árvore a olho nu, sistematizar as inspeções e procedimentos externos já é um grande passo, mas hoje já é possível fazer a análise interna da árvore, através de aparelhos importados como o penetrógrafo e o tomógrafo, utilizado hoje em algumas capitais, como São Paulo e Belo Horizonte”, admitiu, Brazolin recomendando que Manaus adote o equipamento para realizar o manejo adequado das suas
árvores.

A Semmas, já estuda a possibilidade de aquisição dos equipamentos para utilização no dia a dia das atividades realizadas no setor de arborização.

“A aquisição dos aparelhos ou de um pelo menos um deles, o penetrógrafo, resolverá 90% dos nossos casos de análise de risco de queda de árvores, pois é um equipamento de fácil manuseio e que permite avaliar o estado de biodeterioração interno dos exemplares”, afirmou o diretor de Arborização, Paisagismo  e Educação Ambiental da Semmas, Heitor Liberato.

O penetrógrafo permite uma avaliação interna da árvore. O equipamento funciona por meio de uma broca com menos de um milímetro de espessura, que é introduzida no exemplar, e mostra a situação do tronco por meio de gráficos.

“Se a árvore estiver em bom estado, ela apresentará resistência uniforme durante a introdução da broca, o que demonstra que não há camadas deterioradas no caule”, explicou Vinícius Pacheco.

A introdução da broca não causa danos à árvore e toda introdução é precedida de assepsia da haste para que não ocorra contaminação de uma árvore para outra. A perfuração é mínima e a cicatrização do orifício é rápida.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.