Domingo, 26 de Maio de 2019
DISCUSSÃO

Telão, reforço policial e bate-boca: a 2ª audiência sobre transporte por app na Câmara

Debate sobre a regulamentação dos aplicativos de transporte em Manaus foi marcado por confusão entre vereador e representante dos mototaxistas



WhatsApp_Image_2019-05-07_at_16.45.47_CA4E3EF2-4326-41FB-AD1E-C53067B67642.jpeg
Foto: Márcio Silva
07/05/2019 às 18:50

A segunda audiência pública para discutir a regulamentação do transporte por aplicativos na Câmara Municipal de Manaus (CMM), realizada na tarde desta terça-feira (7), foi marcada por confusões dentro e fora do plenário Adriano Jorge.

No plenário, os motoristas contestavam pela dificuldade de acesso da categoria à Casa Legislativa para acompanhar a sessão. "Nós não somos meliantes. Estamos desde cedo aguardando pela audiência e é completamente inviável ter motoristas lá fora, quando se tem uma galeria aqui dentro. Esta luta é nossa, é a nossa regulamentação que está em jogo", afirmou Gleide Lima, que é uma das lideranças da categoria.

No lado de fora da Câmara, motoristas de aplicativos e outros modais acompanharam a audiência por meio de um telão que foi colocado na entrada da Casa Legislativa.

Viaturas policiais reforçaram a segurança reforçaram a segurança em todas as ruas de acesso à CMM, no bairro Santo Antônio, Zona Oeste. No interior do plenário batedores da Guarda Municipal estavam presentes.

Alexandre Matias, que também faz parte da liderança dos motoristas de aplicativos, afirmou que a insegurança temida pelos parlamentares, foi imposta por eles mesmos, já que a audiência era para contar somente com a presença da categoria juntamente com os parlamentares e a sociedade, ao invés de reunir outros modais como taxistas e mototaxistas.

"Se você vai tratar da regra de um time, tem que chamar somente este time e não os seus adversários. Foi isso que ocorreu aqui. Se fosse somente a nossa categoria, não seria necessário todo este aparato, porque não haveria conflitos internos", afirmou Matias.

No decorrer da audiência, ainda houve uma confusão quando o vereador Chico Preto (PMN) contestou a cobrança de 1% acima dos motoristas de aplicativos. "A prefeitura vai resolver todos os problemas da cidade com esta cobrança?", contestou o vereador.

Ainda na tribuna, Chico disse que os modais que não estivessem contentes com suas categorias, que virassem motoristas da Uber. O fato que ocasionou uma discussão em plenário entre o vereador e o presidente do Sindicato dos Mototaxistas de Manaus (Sindmoto), Anderson Souza.

"Ele desrespeitou nossa categoria ao falar para abandonarmos nossa categoria. Mas sabemos que tudo não passa de politicagem, já que ele é pré-candidato a prefeito", afirmou o representante dos mototaxistas.

News portal1 ebdb60b0 2379 4a72 b3a4 78bbee97fcf7
Repórter do Caderno A do Jornal A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.