Publicidade
Manaus
IMÓVEIS

Tempo de super ofertas no mercado imobiliário em Manaus

Com o metro quadrado cotado a R$ 4,5 mil, Manaus tem imóveis até R$ 60 mil mais baratos 30/04/2016 às 23:10 - Atualizado em 30/04/2016 às 23:15
Show 1077012
Imóveis a pronta entrega disponíveis com desconto médio de 10% (Clóvis Miranda)
Juliana Geraldo

O tempo está ainda mais favorável para quem quer comprar imóveis em Manaus. A média do preço do metro quadrado na capital amazonense está cotado em R$ 4.583 de acordo com os dados mais atualizados da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas (Ademi-AM). Esse valor é significativamente mais baixo se comparado com períodos anteriores. No primeiro mês deste ano, por exemplo, segundo a associação, o metro quadrado amazonense custava R$ 5.104 - 10% mais caro em relação ao período atual - e em 2015, chegou a R$ 5.200.

O resultado desta redução tem sido imóveis novos com preços ao consumidor final com descontos reais em um curto espaço de tempo. Conforme apuração feita por +DINHEIRO, algumas unidades chegam a custar quase R$ 70 mil a menos na comparação com o que se pedia a seis meses atrás.

Um apartamento localizado no bairro Flores, de dois dormitórios e 65 metros quadrados, por exemplo, era ofertado no último trimestre de 2015 por R$ 313,5 mil. Em março deste ano, a mesma unidade estava a venda por preço de tabela na ordem de R$ 245,9 mil, um correção para baixo de aproximadamente R$ 67 mil.

Cenário Segundo o presidente da Ademi-AM, Romero Reis, construtoras e incorporadoras perceberam que ainda não é o momento para fazer lançamentos, e sim para trabalhar seus estoques. “Nem todas as incorporadoras estão dando descontos, mas algumas optaram por zerar seus estoques e para isso investem nessas super ofertas com descontos reais de 5%, 10% 20% e até 30%. É uma estratégia”, explica.

Reis esclarece que para obter mais velocidade de vendas, algumas incorporadoras deixaram de corrigir a inflação que gira na casa de 7%, 8% ao ano. “Se acrescentarmos 7% sobre R$ 5.000, que era o valor médio do metro quadrado em 2015, teríamos R$ 350 de correção e o preço deveria ir para R$ 5.350. Mas hoje, o preço médio trabalhado é de R$ 4,6 mil. Ou seja, as empresas, além de não corrigirem o índice, estão dando um desconto real médio de 10%”, detalha.

Estoque Entretanto, ele dá o recado: os preços promocionais não devem se estender por muito mais tempo. Ainda conforme a pesquisa, o mercado imobiliário manauara finalizou março com 310 unidades vendidas no mês e saldo de imóveis ainda em estoque de 3.595 unidades.

“O que me leva a afirmar com muita propriedade que nos próximos meses e, em especial, no próximo ano, o preço do imóvel em Manaus deve subir porque o estoque está acabando e ainda não há lançamentos previstos, ou seja, pode faltar produto. Quem tem crédito, saldo de FGTS, ou tem necessidade e capacidade de pagamento deve aproveitar esse momento”, recomenda.

O presidente da Ademi-AM acredita também que a tendência, a partir de agora, é de que o preço médio do metro quadrado estabilize e volte a crescer no próximo ano. “Quanto aos lançamentos imobiliários na cidade, a previsão inicial é apenas para 2017, a depender dos contornos que a economia e a política ganhem nos próximos meses”, completa.

Estratégia para enfrentar cenário desafiador

Incorporadoras e construtoras que vêm oferecendo descontos expressivos dizem ter adotado essa estratégia para driblar o cenário desafiador que se apresenta. O gerente comercial da incorporadora e construtora Patrimônio Manaú, Alex Moreira, conta que foi preciso adequar os preços ao mercado. “Tem unidades nossas que de 2014 para cá tiveram o preço reduzido em até 34%”, aponta.

Um dos exemplos, segundo ele, é uma unidade de 106 metros quadrados no condomínio Mundi, que em 2014 custava em torno de R$ 570 mil, passou para R$ 525 mil e em abril deste ano custa R$ 473 mil, uma diferença de R$ 97 mil em dois anos. “É claro que escolhemos algumas unidades específicas para fazer isso. Temos que ter o cuidado de ofertar bons preços sem denegrir o mercado”, ressalta.

Já o gerente comercial da Capital Rossi, Rodrigo Oliveira, afirma que o momento é único para a compra de imóveis. Segundo ele, se o comprador procurar bem, encontrará algumas oportunidades em bairros com Adrianópolis por exemplo, com preços semelhantes aos praticados em 2013 ou 2014. “Se considerarmos que nesse período tivemos inflação acumulada acima de 20%, fica demonstrado claramente um desconto real de preços. Claro que estamos falando de casos pontuais, mas, sim, eles existem e estão à disposição do cliente”, conclui.

 

Publicidade
Publicidade