Publicidade
Manaus
acidente iminente

Mais de dois mil bueiros estão sem tampa em Manaus

Problema comum a quase todos os bairros, falta de proteção coloca população em risco, principalmente no período de chuvas, visto que as águas cobrem as estruturas que, sem tampa, aumentam os riscos de acidentes. 26/04/2016 às 04:00 - Atualizado em 26/04/2016 às 07:56
Show capturar
No bairro Amazonino Mendes, o ‘Mutirão’, onde André caiu no bueiro, é difícil encontrar uma estrutura com proteção (Antônio Menezes)
Silane Souza Manaus (AM)

Basta circular por qualquer rua de Manaus para se deparar com bueiros abertos: ao todo existem em torno de dois mil espalhados pela cidade, de acordo com levantamento da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf). No início da atual gestão eram seis mil, aponta a Seminf, uma “herança” indesejada, como classifica o diretor de Serviços Básicos da Seminf, José Roberto Costa.

Eles estão em diversos pontos da cidade e são um perigo para a população, principalmente no período de chuvas, visto que as águas cobrem as estruturas que, sem tampa, aumentam os riscos de acidentes. Na tarde do último domingo, André Pereira Crescênço, de 6 anos, caiu dentro de um bueiro sem proteção, na esquina da rua 9 com a Penetração 4, no bairro Mutirão, Zona Leste, e desapareceu. 

Moradores daquele bairro contam que os bueiros sem tampa estão em cada esquina e diversos acidentes sem muita gravidade já aconteceram por conta disso, mas nada que efetivamente evitassem novas tragédias como a de domingo foi feito pelo poder público. Ou seja, o pior já era esperado por eles.  “Aqui no Mutirão dificilmente a gente encontra bueiro com tampa. Nessa rua Penetração 4 é um perigo à parte, porque quando chove fica tudo alagado e você não tem noção de onde está pisando. A qualquer momento uma fatalidade podia acontecer, visto que essas estruturas vivem abertas”, afirmou a doméstica Dione Soares Maia, 41.

Um bueiro aberto na esquina da rua 4 com a avenida Brigadeiros Hilário Gurjão, na 3ª etapa do bairro Jorge Teixeira, Zona Leste, preocupa a dona de casa Maria de Socorro, 60, que todos os dias passa pelo local com o neto. Ela tem medo que uma tragédia aconteça. “Meu neto é muito hiperativo e eu tenho medo que ele me empurre dentro do bueiro ou então ele mesmo caia. Hoje (ontem) chorei muito com o caso da criança que está desaparecida. A prefeitura não precisa esperar uma criança morrer ou um idoso cair e quebrar a perna ou o braço para consertar esses bueiros”, desabafou.

‘Herança’

O diretor de Serviços Básicos da Seminf, José Roberto Costa, disse que essa situação é uma “herança” deixada pelas gestões anteriores. Conforme ele, quando o atual prefeito assumiu a gestão da Prefeitura de Manaus havia aproximadamente seis mil bueiros sem tampas. Hoje são  em torno de dois mil. “Os bueiros que estão sem tampa são da rede de drenagem mais antiga. E, apesar de repormos essas tampas de vez em quando, dias depois a gente volta no local e não tem mais”, afirmou.

Ele destacou que toda rede de drenagem que a Seminf  construiu vem com tampa, assim como as que estão sendo construídas. Mas, por conta dos furtos das tampas de ferro, repor tampas dos bueiros do sistema antigo é um serviço constante da secretaria. “Tampar os bueiros é um programa constante da Seminf, pois reconhecemos o problema que ele pode causar. A questão é que muitas pessoas pegam essas tampas para aproveitar o material, deixando-os sem proteção, e nós temos que fazer de novo”, declarou.

Costa disse ainda que a Seminf “sabe onde estão” os bueiros sem tampa, mas que a população pode ajudar, denunciando para o número 0800.092.8556. “Ela pode avisar se o local está muito perigoso, se tem mato em volta da estrutura ou qualquer situação de risco,  que nós estamos disponíveis para receber a informação e fazer o reparo”, garantiu.

Busca sem sucesso

As buscas pelo pequeno André Pereira Crescênço, 6, que iniciaram na tarde do último domingo, recomeçaram ontem por volta de 6h30. Ao todo, 50 bombeiros, sendo dois mergulhadores e dois cães de resgate, foram empregados na ação. Até às 17h30, a corporação não havia obtido sucesso na procura pelo garoto, que desapareceu após cair em um bueiro na esquina da rua 9 com a Penetração 4, no Mutirão.

Publicidade
Publicidade