Publicidade
Manaus
Transporte

Cadastramento obrigatório de mototaxistas é finalizado em Manaus

No último dia para o registro de novos permissionários do serviço vários profissionais estiveram na SMTU 16/08/2016 às 05:00
Show smtu2
Mototaxistas lotaram patio da SMTU para fazer o cadastro final e se regularizar (Euzivaldo Queiroz)
Silane Souza Manaus (AM)

O  mototaxista Caio Fernandes, 43, que esteve ontem na Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) para efetivar o cadastro e o registro da permissão para exercer a função nas ruas de Manaus, espera que a Prefeitura de Manaus faça uma fiscalização dura e combata o exercício ilegal da profissão. “Eu espero que a prefeitura adote fiscalização mais rígida para que faça valer à pena todo esse gasto que estamos tendo para nos regularizar”, explicou. 

Ontem foi o último dia para a entrega da documentação e apresentação das motocicletas padronizadas para o serviço de mototáxi. Ao todo, mais de 1,6 mil mototaxistas foram selecionados na última licitação realizada pela prefeitura. Quem não compareceu a SMTU e não apresentou justificativa de ausência válida e comprovada terá a permissão cancelada.

De acordo com Fernandes, os mototaxistas pagaram, em média, R$ 1,6 mil para concluir o processo de cadastro de permissionário que incluiu apresentação de documentação, vistoria do veículo mais equipamentos e assinatura do contrato de permissão. “Nós tivemos que mandar pintar a moto, comprar capacete e colete, além disso, tem as taxas de vistoria da motocicleta e dos equipamentos”, relatou. 

O mototaxista Alberto Luiz de Oliveira, 52, foi outro que conseguiu finalizar o cadastro regulamentar e assim obter a permissão de exercer a função de motaxistas. Conforme ele, há dois anos estava tentando se regularizar. “A gente tem que se regularizar para poder cobrar e para ter direitos”, destacou, dizendo que passou 20 dias correndo atrás da documentação para fazer o registro de permissionário. 

Oliveira só não gostou muito de pagar tantas taxas para poder atuar como motoxista. De acordo com ele, tais taxas sofrem reajuste em período semanal e quinzenal. Entretanto, disse que o processo transcorreu de forma transparente. “Por conta da Olimpíada o atendimento foi prejudicado, mas, no geral, o processo foi bem tranquilo. Fiquei quase dois anos nessa peregrinação e agora estou conseguindo”, afirmou.

A SMTU informou que em breve deve divulgar dados sobre vagas remanescentes, se houver. Disse ainda que, ontem, se encerrou o processo da entrega dos documentos e vistoria das motos, após isso, fará o levantamento destes dados no decorrer da semana.

Risco
Até a semana passada o Superintendente Municipal de Transportes Urbanos, Pedro Carvalho, avaliava ser grave o quantitativo de permissionários  que deixaram de comparecer ao órgão para fazer o cadastro e regulamentar a permissão conseguida para  exercer a função de motaxistas na cidade.

“Estamos fazendo uma alerta para chamar as pessoas que foram selecionadas na licitação para comparecer a SMTU e realizar o cadastro de permissionário e a apresentar as motos padronizadas até o dia 15 deste mês”, afirmava Carvalho, preocupado com ó possível cancelamento de permissões que garantem ao profissional o exercício legal da atividade.

Processo foi longo
A segunda licitação do serviço de mototáxi foi homologada no dia 11 de fevereiro deste ano, após conclusão do sorteio dos candidatos empatados com 60 pontos. O prazo para a entrega da documentação e apresentação das motos padronizadas se encerrou ontem.

(Foto: Euzivaldo Queiroz)

Publicidade
Publicidade