Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019
NA CÂMARA MUNICIPAL

Terceirizados da Semed fazem protesto e cobram pagamento de salários

'Não tem vale alimentação, não tem salário. A metade da zona estão devendo dois meses. E para a outra, três meses', afirma Silvio Cristiano, um dos organizadores



WhatsApp_Image_2019-09-10_at_12.35.20_BB9104AF-3E55-41A8-80D9-581C0EA0A3FB.jpeg Foto: Winnetou Almeida
10/09/2019 às 12:54

Cerca de 60 funcionários que prestam serviços terceirizados de limpeza e conservação às escolas da Secretaria Municipal de Educação (Semed) pela empresa LBC compareceram à Câmara Municipal de Manaus (CMM) na manhã desta terça-feira (10) para reivindicar salários atrasados e outros auxílios financeiros suspensos há pelo menos três meses. A dívida só em salário corresponde a mais de R$ 3 milhões, equivalente ao pagamento de aproximadamente mil funcionários distribuídos nas quatro zonas distritais.

Segundo um dos organizadores da manifestação, Silvio Cristiano, o tempo de atraso varia de zona para zona, e além de atraso salarial, faltam benefícios como o pagamento de férias, FGTS e cesta básica. "Não tem vale alimentação, não tem salário. A metade da zona estão devendo dois meses. E para a outra, três meses”, disse.



Segundo os trabalhadores, a falta de dinheiro tem prejudicado as finanças, alguns estão para ser despejados de casa, por não pagarem o aluguel, além da existência de contas acumuladas. Há 5 anos na empresa, a funcionária de Serviços Gerais, Cristina Castro disse que a situação não pode continuar como está.

“Só eu trabalho na minha casa. Graças a Deus, não pago mais aluguel, mas tenho colegas que estão quase sem ter onde morar, por não terem dinheiro. Os locadores não aceitam mais as desculpas. E não acreditam, mas estamos sem receber. E minhas contas estão acumuladas há meses”, desabafou.

O advogado que representa parte dos trabalhadores, Alexandre Viana Freire contou que é comum acontecer isso em empresas terceirizadas, pelas lacunas presentes nos contratos.

"Infelizmente é comum às empresas terceirizadas. Os contratos são inexecutáveis. A empresa deixa de pagar direitos dos trabalhadores, fazendo do trabalho deles o seu lucro. No caso desta empresa, ainda há a questão de que os funcionários trabalham em ambientes insalubres e não recebem por isso”, explicou.

Membros das Comissões de Educação e de Finanças, Economia e Orçamento da CMM, entre outros vereadores se reuniram com os funcionários para definir os procedimentos para a execução do pagamento.

“Nós iremos nos reunir ainda hoje, ou o mais tardar amanhã com a secretaria de finanças e com o prefeito para definir novos prazos e resolver essa situação o mais rápido possível”, esclareceu a presidente da Comissão de Educação, vereadora professora Jacqueline (PHS).

Para o vice-presidente da Comissão de Finanças, Economia e Orçamento, Elias Emanuel (PSDB), há negligência por parte da empresa LBC. “A direção da empresa é irresponsável. Vamos cobrar a execução desse pagamento. E cabe ainda uma medida da Procuradoria Geral do Município contra a LBC. Se a empresa não cumpre as regras estabelecidas, ela deve ser riscada da lista de licitações”, destacou.

News whatsapp image 2019 05 27 at 11.54.48 8d32dbdd 4f80 4c51 b627 e3873c2e56de
Repórter
Cientista Social, Escritora e Jornalista. Repórter de A Crítica, apaixonada pela arte de contar histórias.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.