Quinta-feira, 22 de Outubro de 2020
AÇÃO

TJ-AM considera inconstitucional lei que proíbe discussão de gênero em escolas

Inconstitucionalidade de lei municipal proposta pelo vereador Marcel Alexandre e aprovada em 2015 contou com voto unânime de todos os desembargadores



WhatsApp_Image_2019-02-19_at_10.33.34__1__996295A4-7225-494C-AC94-A308AF959AA1.jpeg (Foto: Euzivaldo Queiroz)
19/02/2019 às 10:46

O pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJ-AM) votou, na manhã desta terça-feira, pela inconstitucionalidade da lei municipal que proíbe a discussão sobre ideologia de gênero nas escolas municipais da cidade de Manaus. 

Por unanimidade, os desembargadores do TJ-AM acompanharam o voto  da relatora, desembargadora Carla Reis, pela  procedência da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN), ajuizada pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), em harmonia com o pedido formulado pelo órgão ministerial.



Para o professor da rede municipal de ensino, Jonas Araújo, a decisão judicial é uma ‘vitória importante contra o retrocesso’. Em maio de 2018, o pleno deferiu a medida cautelar e suspendeu, até o julgamento da ação realizado nesta terça-feira (19), a vigência dos artigos 1º e 2º da Lei Municipal nº 439/2017, que vedam a inserção de atividades e orientação com caráter político-pedagógico, na grade curricular das escolas do Município de Manaus, que reproduzam o conceito da "ideologia de gênero", onde dois sexos – masculino e feminino -, são considerados “construções culturais e sociais”.

O projeto de lei foi apresentado, em 2015, pelo vereador Marcel Alexandre (PHS), sob a justificativa de que o Congresso Nacional retirou o termo ideologia de gênero do Plano Nacional de Educação (PNE). A lei passou a vigorar a partir de 7 de março de 2017 e em maio de 2018 o TJ-AM suspendeu um trecho da lei com base em ação do Ministério Público.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.