Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019
LIVRAMENTO

Tony Medeiros e noiva por pouco não estavam no avião que caiu em Manaus

Tony, que durante vários anos foi o Amo do Boi Garantido, está na capital amazonense por conta das homenagens de 90 Anos da Imigração Japonesa na Amazônia



aaaaagora_tony_1F4BE6F5-7290-4C7B-9FDA-5544435B482B.JPG Foto: Arquivo AC
17/09/2019 às 11:24

O atual vice-prefeito de Parintins (a 325 quilômetros de Manaus), Tony Medeiros, 53, e sua noiva, Adeandra Ferreira, por muito pouco não estiveram na aeronave Cessna 208b Caravan, prefixo PT-MHC, da empresa TWO Flex, que se acidentou na tarde dessa terça-feira (16) na capital amazonense. O avião caiu numa região de mata da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) na avenida Santos Dumont, Zona Oeste, nas proximidades do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, quando seguia voo com destino ao município de Maués (a 276 km da capital).

Tony, que durante vários anos foi o Amo do Boi Garantido e é um dos maiores autores de toadas do Festival Folclórico de Parintins, está na capital amazonense por conta das homenagens de 90 Anos da Imigração Japonesa na Amazônia – ele é autor de dois projetos de lei e duas honrarias de cidadão do Amazonas.



Ambos tinha retorno marcado a Parintins no voo de outra empresa aérea marcado para 12h; no entanto, a companhia mudou o horário para 13h10. “Chegamos por volta de 12h30 para fazer o chek-in e soubemos que a empresa havia trocado a aeronave de 72 lugares por uma menor, praticando o overbooking. Eu questionei que precisaria ir a Parintins por conta dos meus compromissos pela Prefeitura, mas não conseguimos embarcar. Depois tentamos em outra companhia, a TWO Flex, mas o voo estava lotado e tivemos que seguir em Manaus”, relata Medeiros.

Ao chegar no local em que estava hospedado, o susto: o Cessna 208b Caravan havia caído. “Quando cheguei em casa soube da notícia do acidente pelo celular. Que o avião havia caído após a decolagem. Minha perna esfriou total. Lembrei que conheço vários pilotos e mentalizei para que eles e os passageiros do voo estivessem bem. Graças a Deus ninguém morreu e ficaram apenas os prejuízos”, disse o vice-prefeito.

Não é a primeira vez que Tony passa por sustos decorrentes de voos. Num deles, em 1998, quando dos compromissos pelo Boi Garantido, a aeronave na qual ele estava teve que fazer um pouso forçado em meio a um temporal com destino à cidade de Humaitá. “Ou a gente pousava no meio do temporal ou não chegaria ao destino. Era impossível. Estávamos em um Bandeirante, com vento forte e o piloto teve que encostar a aeronave de lado. Era o auge do boi-bumbá. Foi sufoco”, relembra ele. “Mas não tenho qualquer trauma de viajar e o avião é a maior invenção do homem”, completa o artista.

Para ele, após o ocorrido, ficou uma constatação: “Quando não é pra ir dessa vida a gente não vai, não tem jeito; por exemplo: ainda estou em Manaus e o voo que estava remarcado para esta terça-feira foi novamente remarcado ainda não sabemos pra quando!”.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.