Publicidade
Manaus
Manaus

Trânsito fica lento na região da Suframa após caminhão colidir e derrubar estrutura de ferro

Acidente aconteceu na avenida Ministro João Gonçalves, que corresponde à rodovia BR-319. Além de derrubar estrutura, veículo pesado também comprometeu fios de telefonia 12/09/2014 às 10:55
Show 1
Agentes de trânsito trabalharam para desviar fluxo de carros
VINICIUS LEAL Manaus (AM)

Quem precisou acessar as principais vias do bairro Distrito Industrial e região da Suframa, na Zona Sul de Manaus, na manhã desta sexta (12), sofreu com engarrafamento devido a derrubada de uma estrutura de ferro, com placa de sinalização, que ficou estendida na avenida Ministro João Gonçalves, uma das principais daquela redondeza.

Desde as 5h30, a estrutura já estava estirada na avenida e impedia o fluxo e circulação de carros. A suspeita é que um veículo pesado, possivelmente um caminhão de grande porte, passou pelo local em alta velocidade e colidiu e derrubou a estrutura de ferro, e ainda comprometeu a fiação nos postes. Após o acidente, o motorista do caminhão fugiu.

As placas e modelo do caminhão ainda não foram identificados. Agentes de trânsito do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) trabalharam no local durante toda a manhã para desviar fluxo de veículos da avenida João Gonçalves para a avenida Abiurana, via adjacente, mas mesmo assim ocorreu congestionamento.

A estrutura de ferro ficou presa em fios de telefonia, e não arrancou ou derrubou fiação elétrica. Conforme assessoria da Eletrobrás Amazonas Energia, não houve prejuízo ou danos ao fios de energia elétrica e não houve necessidade de desligamento e interrupção no fornecimento de energia naquela região. Equipes foram ao local e avaliaram situação.

A avenida João Gonçalves corresponde ao início da rodovia BR-319, e por isso aquela área é de responsabilidade da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). A Polícia Rodoviária Federal (PRF) ficará responsável por investigar as causas do acidente, e a Suframa deveria corresponder com os custos dos danos materiais da estrutura de ferro.


Publicidade
Publicidade