Publicidade
Manaus
AM-070

Transtornos na rodovia Manuel Urbano são intensificados com as chuvas

A buraqueira que tem se formado na rodovia AM-070, com o prolongado período de chuvas, tem colocado em risco a vida da população que usufrui da via para se deslocar, além de causar prejuízos aos motoristas 17/04/2016 às 21:04 - Atualizado em 18/04/2016 às 18:31
Show manuel urbano
Buracos estão causando prejuízos aos motoristas que utilizam a AM-070 (foto: Arquivo/AC)
Aristide Furtado Manaus (AM)

A rodovia Manuel Urbano (AM-070), principal via de acesso a Manacapuru,  um dos mais populosos municípios da Região Metropolitana (RMM), tem  colocado em risco a vida da população que precisa se deslocar todos os dias seja a trabalho, estudo, transporte de mercadorias ou em busca de serviços de saúde. O motivo é a  buraqueira que tem se intensificado com o prolongado período de chuvas.

Em cerca de 70 Km, de um total de 84 Km, da estrada conhecida nos registros da Secretaria Estadual de Infraestrutura (Seinfra) como AM-070, as crateras no asfalto se proliferam  provocando prejuízos aos motoristas. Taxista há 12 anos, Cosme Morais Duarte, 41 anos, que ganha o sustento transportando passageiros do bairro da Compensa, zona Centro-Oeste de Manaus, à sede de Manacapuru, todos os dias, reclama dos danos causados pela  precariedade da pista, notadamente no trecho que ainda não foi duplicado.

“Essa estrada esta péssima, um lixo. Começando de lá pra cá. Do Miriti (balneário) a Manacapuru. É uma buraqueira só. Isso acaba com a parte debaixo do carro. Na pista nova é que está melhor bom (área duplicada). A pista velha é que esta ruim. Tem muito buraco. Estou para desistir da placa, não aguento mais com tanto gasto. Quase toda semana tem que trocar o pivô, amortecedor, batedor ou rolamento. Estou para desistir dessa profissão. Já aconteceram vários acidentes por causa dos buracos”, disse Cosme Duarte.

Desde março de 2013, a Seinfra iniciou a duplicação de 78,1 Km da rodovia. Os serviços já foram realizados até o Km 20.  Mas desde outubro do ano passado (início do período de chuvoso) não se vê atividade, no local, da construtora Etam, responsável pelo contrato de 279,6 milhões. Desse montante, R$ 93,3 milhões foram dados como executados pela secretaria, de acordo com o Sistema de Obras Pública do Estado (Sicop). Entregue em agosto de 2015, a primeira parte da obra também apresenta problemas.

“O problema  maior são as ondulações, o  desnivelamento de pista que formam poças de água. Só nessa semana houve dois acidentes. Um com o filho de um empresário aqui de Manacapuru. Não pode numa estrada nova ter  acúmulo de água. E tem parte da pista duplicada que está segurando o escoamento da chuva. Outro problema é que o canteiro central de drenagem  não tem proteção. Se alguém cair naquela vala é  perda total do carro ou até morte.  Já teve motorista que aguaplanou e desceu no buraco. O carro do  filho do empresário planou na água e capotou”, afirmou o empresário Alexandre Tavares, que mora em Manacapuru. 

Dono de um dos maiores supermercados da cidade, o comerciante ressalta que a falta de fiscalização dos veículos de grande porte  contribui para a precária situação da rodovia. “Não tem ninguém trabalhando na pista. Nessas duas semanas choveu muito e  as cargas dos caminhões também complicam a situação. A quantidade de peso não é fiscalizada.  Os caminhões passam com 30 toneladas. Não tem asfalto que resista. Se não tiver controle de pesagem é bobagem”, disse Tavares, enfatizando que, na parte velha da pista, que vai do Km 20 até sede de Manacapuru, os buracos aumentam o custo de manutenção da frota que transporta mercadorias. “A suspensão de qualquer veiculo é danificada. O custo de manutenção vai lá para cima”, apontou.

Blog: Manoel Ribeiro de Freitas, professor de Manacapuru

“A estrada Manuel Urbano apresenta uma série de buracos dificultando o trânsito e colocando em risco a viagem. Toda parte velha da estrada está, de forma geral, com buracos. Tem  trechos mais complicados. O trecho logo saindo de Manacapuru está muito danificado. Já foi remendado tantas vezes, que remenda num lugar e aparece o buraco  em outro.  Levei prejuízo de mais de R$ 200. Bati carro numa cratera, estava chovendo, entortou os dois aros, e outra peça da suspensão. Isso coloca em risco a vida de quem dirigi. Se desviar do buraco acaba batendo em outro carro. A parte logo depois da ponte Rio Negro também está ficando esculhambada. Mas o problema não é só na Manuel Urbano. A estrada de Novo Airão está do mesmo jeito. Há pouco tempo foi feito um serviço de manutenção. A placa diz que o contrato é de R$ 3,9 milhões. Acho que os caras que fizeram a tapagem e não gastaram R$ 1 milhão. E onde fizeram está surgindo novos buracos. Já esta ficando intrafegável. Se nada for feito não aguenta  mais dois meses. Tenho sítio e ando quase todos os dias nessa estrada”.

Contrato no valor de R$ 3,9 milhões

Segundo o Sicop,  a Seinfra firmou contrato no valor de R$ 3,9 milhões com a C.D.C Empreendimentos para restauração (tapa buraco), drenagem profunda e recomposição de erosões da rodovia AM-352, estrada que liga Manacapuru a  Novo Airão. O período de execução das obras é de 18 de novembro de 2015 a 16 de maio deste ano. Do total contratado, o governo deu como realizado (medidos)  R$ 3.071 milhões, restando saldo de R$ 906,8 mil. Em relação a  manutenção da AM-070, não há no Sicop contrato registrado.

Na programação da Seinfra

Em nota, a Secretaria de Estado de Infraestrutura do Amazonas (Seinfra) informa que estará encaminhando nesta terça-feira (19), uma vistoria na estrada AM-070 para levantamento dos buracos na área e posteriormente uma programação já para saná-los. 

Publicidade
Publicidade