Publicidade
Manaus
Manaus

Três horas de aflição: suspeita de bomba em escola na Zona Oeste assusta pais, alunos e professores

Durante cerca de uma hora o Grupo Marte verificou, no edifício da escola estadual Itacyara Nogueira Pinho, um objeto suspeito de ser um explosivo. No período da ação, estudantes e professores aguardavam nas salas. 27/11/2014 às 19:48
Show 1
Escola Estadual foi evacuada após suspeita de bomba
Cynthia Blink Manaus (AM)

Por volta das 15h desta quinta-feira (27), uma suspeita de bomba na escola estadual Itacyara Nogueira Pinho, na rua 2 Quadra 10 SN, Planalto, zona Oeste, mobilizou policiais do Grupo Marte no edifício. Por medidas de segurança não liberaram os 300 alunos (matriculados entre o 1º e 5º ano do ensino fundamental) de suas salas. “O objeto suspeito estava muito próximo ao portão de acesso a escola, portanto, o lugar mais seguro para as crianças eram as salas de aula”, informou o tenente Paulo Vitor.

O Grupo Marte, recebeu a uma chamada do Centro Integrado de Operações de Segurança(CIOPS). Segundo o tenente o objeto suspeito estava envolto de um saco preto e apresentava todas as características de um explosivo, porém após feita a verificação constatou-se que apesar da semelhança não se tratava de um explosivo.

A operação do Grupo Marte durou aproximadamente 3 horas, nesse tempo, os responsáveis pelos alunos aguardavam. “Todas as crianças estão bem, não tem ninguém ferido. Daqui a pouco as elas serão liberadas”, avisou o policial aos responsáveis que esperavam na frente da escola para levar suas crianças para casa. “Estou tentando não ficar nervosa, minha filha está lá dentro. Os policiais dizem que já vão liberar e nada... amanhã a Amanda faz 10 anos”, diz Ivina Silveira, dona de casa e mãe da Amanda.

A presença do Serviços de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) no local colaborou para que os responsáveis ficassem ainda mais aflitos, mas o tenente explica que essa é uma medida padrão. “O Samu sempre nos acompanha em todas as ocorrências”, afirma. Por volta de 18h20 os alunos da escola Itacyara foram liberados sem nenhum ferimento físico.

Dentro da escola

“Tava todo mundo preocupado, tinha gente chorando. Os professores tentavam acalmar a gente. Minha amiguinha cadeirante olhava para a professora e ficava perguntando o que ela faria se fosse preciso correr, como ela poderia ficar bem.”, relata Amanda Silveira, 10, aluna  do 4° ano.

A Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) informou que haverá aula normal amanhã, dia 28 de novembro.


Publicidade
Publicidade