Terça-feira, 23 de Abril de 2019
publicidade
1.png
publicidade
publicidade

Acidente na Ponta Negra

Três se chocam contra barra de ferro na Ponta Negra

Ciclista e policiais que trafegavam de quadriciclo na área do anfiteatro se chocaram contra uma barra de ferro


22/04/2013 às 08:00

No segundo final de semana após a reabertura da Praia da Ponta Negra, na Zona Oeste de Manaus, dois acidentes marcaram a tarde do domingo num dos maiores pontos de lazer e turismo da cidade. Três pessoas se feriram na barra que integra uma estrutura de ferro localizada ao redor do palco do Anfiteatro da Ponta Negra.

A estrutura, que serviu como suporte das caixas de som em evento do Dia do Índio, há três  dias, tinha isolamento, mas nenhuma sinalização próxima ao local. Okenis Carvalho, 16, andava de bicicleta quando atingiu o obstáculo. Ele perdeu a consciência e foi encaminhado ao Pronto Socorro João Lúcio em quadro estável.

Dois soldados da Polícia Militar, Bruno da Silva Cunha, 27, e Eduardo Ramos Siqueira, 26, tentavam realizar uma abordagem de supostos usuários de droga na parte da frente do palco, também acabaram colidindo com a barra de ferro. Assim como o adolescente, eles foram encaminhados para o Pronto Socorro pela unidade móvel SOS Vida, da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). O quadro deles também é estável. As informações são do enfermeiro Hugo de Oliveira, do Posto de Atendimento da  Semsa.

publicidade

Restrições

Parte dos banhistas reclamou  do grande número de restrições aos frequentadores impostas pela poder público. Entre elas, estão os limites da praia, de apenas seis metros para crianças e dez metros para adultos. Janderson Silveira, 21, reconhece que as medidas foram tomadas a fim de evitar tragédias como as ocorridas no ano passado, quando em seis meses de abertura da praia, pelo menos dez pessoas morreram afogadas no local. No entanto, ele reinvindica “um pedaço maior para os banhistas”. “Gastaram  milhões para transformar a Ponta Negra numa piscina?”, questionou o estudante.

Comerciantes

Outra reclamação veio por parte de permissionários do comércio no local. Segundo eles, os clientes reclamam da proibição da venda de alimentos  e do horário de fechamento da praia. “Tem gente que chega aqui às seis horas (da tarde) para correr com as crianças, mas não pode. Acho que tem que fechar para os banhistas, mas abrir a praia para quem quiser ficar na areia”, opina a comerciante, que preferiu não se identificar.

publicidade
publicidade
Quinta vítima de médico acusado de estuprar pacientes relata abusos sofridos
Câmara Municipal deve criar comissão para defender Zona Franca de Manaus
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.