Publicidade
Manaus
MANEJADO

Três toneladas de pirarucu serão vendidas neste fim de semana em Manaus

O quilo do filé do peixe será vendido por R$ 18,00, enquanto que o quilo da ventrecha (barriga) custará R$ 14,00. Já a carcaça do peixe terá o quilo vendido por R$ 5,00 02/11/2017 às 14:15
Show pirarucu 2
A ação será realizada na sede da FAS, no bairro Parque Dez (Foto: Dirce Quintino/FAS)
acritica.com Manaus (AM)

Pescadores da Associação de Moradores e Usuários da Reserva Mamirauá  Antônio Martins (Amurmam), a 632 km de Manaus, estarão nesta sexta-feira (03) e domingo (05) na Fundação Amazonas Sustentável (FAS) realizando mais uma edição da venda de pirarucu manejado. A ação terá início às 07h na sede da Fundação, localizada na Rua Álvaro Braga, 351, Parque 10 de Novembro, zona centro-sul da cidade.

As três toneladas de pirarucu fresco provém de lagos naturais do Rio Solimões, frutos de projetos de manejo sustentável. O quilo do filé do peixe será vendido por R$ 18,00, enquanto que o quilo da ventrecha (barriga) custará R$ 14,00. Já a carcaça do peixe terá o quilo vendido por R$ 5,00 e o charuto (peixe inteiro) terá o quilo por R$ 8,50.  

No domingo (05), os pescadores continuarão com a venda dentro da Feira Urbana de Alternativas (FUÁ), evento cultural que acontece na FAS reunindo gastronomia, música e arte. A ação inicia às 07h.

Segundo o manejador Edson Souza, a feira tem por objetivo trazer os estoques do Solimões para abastecer as festas de fim de ano na capital, valorizando o produto sem atravessadores.

“Nosso objetivo é trazer um pescado de qualidade e com preço competitivo ao consumidor, sem atravessadores. Uma chance para valorizar o nosso trabalho, com um peixe 100% de rio e legalizado, e que tem muitas utilidades no cardápio do caboclo amazonense”, destaca.

Manejo do Pirarucu

O manejo do pirarucu é uma atividade sustentável que acontece sob a supervisão do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o qual controla a quantidade de peixes que devem ser pescados nos lagos da Unidades de Conservação (UCs). Os peixes são criados livres em lagos, onde se alimentam de forma natural e só podem ser capturados quanto atingem o tamanho mínimo de 1,50 m.  

A venda do pescado manejado é apoiada pelo  subprograma de Geração de Renda do Programa Bolsa Floresta, em parceria com o Fundo Amazônia/BNDES e o Banco Bradesco  e beneficiará diretamente cerca de 30 famílias que vivem na RDS Mamirauá.

*Com informações de assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade