Sexta-feira, 23 de Agosto de 2019
REFUGIADO

Ambientalista venezuelano busca refúgio e tratamento contra leucemia em Manaus

Joan Gutierrez conta que chegou a caminhar cerca de 107 quilômetros de Presidente Figueiredo à cidade Manaus em busca de auxílio



venezuelano_A3E8C37D-92B8-48D3-84F4-7B5962ACEEFA.JPG Foto: Yasmin Feitoza /Free Lancer
04/01/2019 às 18:24

É em Manaus que o ambientalista venezuelano Joan Gutierrez, de 22 anos, busca refúgio e tratamento médico para a Leucemia Linfóide Aguda que descobriu há cerca de um ano. O rapaz, que lutava por causas ambientais em seu país através da ONG "Aun Hay Tiempo Nacional Maven", hoje busca a documentação necessária para realizar o tratamento na Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam).

A reportagem do Portal A Crítica conversou com Joan através de um tradutor disponibilizado pelo Alto do Comissariado das Nações Unidas Para Refugiados (ACNUR). Joan conta que deixou a mãe na Venezuela há aproximadamente 12 dias para atravessar a fronteira em busca de tratamento. Ele explica que chegou em Boa Vista e, em seguida, a Presidente Figueiredo, município do Amazonas distante 177 km de Manaus, através de sucessivas caronas que conseguiu na estrada. Depois, enfrentou uma caminhada de 107 quilômetros até chegar em Manaus. 

“Além de buscar tratamento, que é algo que não dá para conseguir na Venezuela neste momento por conta da grave crise que o país está sofrendo, saí de lá porque sofri inúmeros atentados por ser ambientalista. A minha ONG lutava contra empresas de petróleo que prejudicavam o meio ambiente e, por conta desse posicionamento político, sofri diversos ataques”.

O venezuelano chegou em Manaus no dia 31 de dezembro e se uniu aos refugiados que se instalaram embaixo de um viaduto no entorno do Terminal Rodoviário, no bairro Flores, na Zona Centro-Sul da capital. Mesmo  com fortes dores nos ossos por conta da doença, Joan seguiu até a sede da Polícia Federal em busca da documentação necessária para ser internado no Hemoam. Ele não obteve êxito em sua primeira tentativa.

O futuro

Há cerca de 12 anos Joan trabalha como professor de educação ambiental com crianças de diversas comunidades de Venezuela. Ele relembra que estar na Amazônia sempre foi um sonho por conta de sua profissão e que também espera visitar o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

“Sempre fui preocupado com a situação dos rios e florestas e trabalhar na Amazônia seria um sonho. Quero usar a experiência que eu adquiri na Venezuela cuidando das causas ambientais aqui nessa região. Espero conseguir um transplante, me recuperar e poder trabalhar na minha área, auxiliando outras pessoas”, espera Joan. “Infelizmente, voltar para a Venezuela na situação em que o país está não é possível, mas caso as coisas melhores eu pretendo, quem sabe um dia, retornar e encontrar minha família”.

Atendimento

Na manhã desta sexta-feira (04), Joan foi atendido por funcionários da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) que trabalham no Terminal Rodoviário de Manaus. Segundo os agentes, os documentos de Joan já estão sendo viabilizados e ele foi encaminhado para Hemoam acompanhado por dois funcionários do órgão.

A Sejusc informou ainda que o venezuelano, diagnosticado com leucemia, foi cadastrado no Sistema Único de Saúde (SUS) para tratamento, no qual seguirá com acompanhamento da secretaria. Ainda de acordo com a pasta, Joan Gutierrez tem em mãos a solicitação de refúgio para emissão dos documentos necessários e já deu entrada no Registro Nacional Migratório.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.