Publicidade
Manaus
Desperdício

Um ano depois de sua inauguração, Shopping T4 na Zona Leste continua fechado

Empreendimento foi inaugurado em 30 de junho de 2016, pelo então Prefeito de Manaus e candidato a reeleição, Arthur Virgílio Neto. O ato foi feito no último dia em que podia fazer inaugurações de obras públicas 01/07/2017 às 05:00
Show t4
Centro comercial segue com as portas fechadas e com seu entorno cheio de mato. Sua construção custou R$ 30 milhões aos cofres públicos (Fotos: Winnetou Almeida)
Silane Souza Manaus (AM)

Ontem completou um ano que o prédio do Shopping T4, no bairro Jorge Teixeira, Zona Leste, foi inaugurado. Aliás, o ato ostentoso foi promovido no último dia em que o então Prefeito de Manaus e candidato a reeleição, Arthur Virgílio Neto (PSDB), podia fazer inaugurações de obras públicas. Mas o problema é que, até hoje, o empreendimento, cuja construção custou R$ 30 milhões aos cofres públicos, nunca abriu as portas.

A justificativa é que foi um pedido dos próprios microempreendedores escolhidos para trabalhar no Shopping T4, de só se instalarem no local quando pelo menos 50% das lojas âncoras, mini âncoras e quiosques estiverem funcionando. O ex-camelô Ronildo Moreira confirma esse fato. Todavia, salienta que a categoria nunca deixou de cobrar o prefeito para que os tais estabelecimentos fossem instalados, visto que possibilitarão maior fluxo de pessoas.

De acordo com ele, o movimento conseguiu fazer com que o prefeito Arthur Neto marcasse, recentemente, a abertura do Shopping T4 para o dia 24 de outubro deste ano. “Ele prometeu que dia 24 de outubro estará tudo pronto e funcionando. Isso aconteceu numa reunião que nós solicitamos por ofício. Caso ele não tivesse nos recebido, íamos fazer uma manifestação em frente à prefeitura, já tínhamos reunido a assembléia para tomarmos essa decisão”, afirmou.

Moreira revelou que a categoria ameaçou voltar para as ruas do Centro Histórico de Manaus caso não houvesse uma definição sobre o funcionamento do Shopping T4. Mas o prefeito prometeu abrir um empreendimento no dia do aniversário de Manaus e também conter a invasão no Centro contratando uma empresa privada para atuar junto com os fiscais e guarda municipal. “Ele está ciente que se o T4 não tiver com as lojas âncoras funcionando não vamos para lá e sim voltaremos para as ruas”.

O vendedor Miguel Pereira, 54, esteve presente na inauguração do Shopping T4, em 30 de junho de 2016, e viu quando Arthur Neto assinou o termo de permissão de uso do centro comercial. Ele acreditava, com isso, que o espaço de comércio popular fosse logo funcionar, mas não foi o que aconteceu. “Um ano se passou e nada. Isso está errado. Uma obra só é inaugurada quando é para funcionar. Fizeram aquele enxame todo e não dão uma reposta para o povo”, declarou.

Muitos microempreendedores do camelódromos provisórios Floriano Peixoto mantém suas bancas fechadas por falta de clientes

Sem retorno

A reportagem questionou a Prefeitura de Manaus sobre a demora da instalação das lojas âncoras, mini âncoras e quiosques, além dos microempreendedores, no Shopping T4, bem como o custo mensal de manutenção do local sem funcionamento e a previsão de sua abertura, mas até o fechamento desta edição não houve respostas.

Tristeza

A inauguração do Shopping T4, no ano passado, marcou para sempre a vida da família de Iris Santos, 39. Na ocasião, a filha dela Yasmim Silva dos Santos, 14, acabou morta ao ser atingida por uma bala perdida. A adolescente tinha ido vê o show pirotécnico realizado pela prefeitura para evidenciar a inauguração do empreendimento. “Nenhuma mãe gostaria de deixar a filha viva e encontrá-la morta quando chegasse. É uma dor que nunca passa. A polícia prendeu os quatro elementos que fizeram isso. Peço ao juiz que esteja com o caso que não os deixem impune. Que faça Justiça”, pediu Iris.   

Viva Centro Galeria Populares​

O Shopping T4 é a maior e última das unidades que integram o projeto “Viva Centro Galeria Populares”, composto ainda pela Galeria Espírito Santo e Galeria dos Remédios, ambas no Centro da cidade. Embora inaugurado, o empreendimento está fechado e com seu entorno cheio de mato.

Mato toma conta do terreno do Shopping T4

O centro comercial possui 32 mil metros quadrados de área total e, além de abrigar 700 microempreendedores, deve contar com praça de alimentação, supermercado, Pronto Atendimento ao Cidadão (PAC), mini-auditório, salas de treinamento, agência bancária, banheiros, elevador, escadas, estacionamento e pista de caminhada.

Alguns ex-camelôs que aceitaram sair das ruas do Centro para ir para o Shopping T4 continuam atuando nos camelódromos provisórios, como o da avenida Floriano Peixoto, no Centro. Outros entregaram suas bancas e estão aguardando em casa a abertura do empreendimento. Para isso recebem os benefícios concedidos pelo projeto “Viva Centro Galeria Populares” (R$ 1 mil mensais + 1 cesta básica).

Publicidade
Publicidade