Domingo, 26 de Maio de 2019
Manaus

Universitária sai da crise após começar vender ‘dindins goumert’

A estudante Kethleen Rocha, 22, ficou sem grana ao sair do estágio e criou a ‘Olha já! Dindin’



1.jpg
A estudante participa de vários tipos de eventos e feiras para divulgar o seu produto. Agora, ela já tem sua clientela fiel
07/01/2016 às 12:31

Ter que interromper a faculdade por dificuldades financeiras é o pesadelo de muitos estudantes, e também tirou o sono da personagem da coluna “Não Crisa” de hoje. Porém, ela descobriu um jeito saboroso de espantar o fatasma do abandono da faculdade. Depois que saiu do estágio, a estudante de jornalismo Kethleen Rocha, 22, viu que era preciso fazer algo para não atrasar as mensalidades da faculdade. Então com a ajuda da irmã, a fisoterapeuta Kellyane Oneida, ela começou a fazer “dindins goumert” com sabores clássicos enquanto testava novos sabores.

Foi assim que nasceu o “Olha já! Dindin”, nome escolhido para ser a marca registrada de Kethleen, que foi trabalhar com entregas e trabalha com sabores diferentes. “Nada de ficar esperando o cliente vir bater na nossa porta. Criei um perfil no Instagram e dependendo da quantidade, entregamos no local que o cliente pedir”, adiantou a estudante.

Kethleen também participa de feiras e eventos para divulgar o produto. “Ainda estou começando, então acho importante ir para lugares de intensa movimentação e assim fazer com que muitas pessoas provem e aprovem nossos dindins”, completa.

A pesquisa para produzir novos sabores foi importante para que não houvesse desperdício de material e aumento de gastos. A estudante contou que, com a ajuda da internet, é possível encontrar ingredientes que combinam ou não para montar os sabores exclusivos. “Durante as pesquisas, já sabia se podia ou não misturar um ingrediente com outro e assim não perdi tempo e joguei fora produtos que não deram certo”.

Depois das pesquisas, foi a hora de testar os sabores que iriam entrar no cardápio. Nesse momento Kethleen, mesmo sabendo fazer muita coisa na cozinha, pediu orientações de uma tia para preparar as primeiras unidades.

Ao todo foram gastos R$ 300 para a produção de 96 unidades de dindins que foram vendidos a R$ 3 com a ajuda da divulgação no Instagram. “No início os amigos mesmo ajudaram comprando e também divulgando. Agora, já temos clientes fixos”, esclareceu Kethleen.

Todos os sabores dos dindins são produzidos diretamente da fruta, para ter mais sabor e consistência. Os preferidos dos clientes são o morango com nutella, farinha láctea, leite ninho, ovomaltine e chocolate cremoso. Há ainda os sabores tradicionais de tapioca e mousse de maracujá. “Em breve estaremos oferecendo dois novos sabores como caldo de cana e cappuccino”, finaliza.

Faculdade garantida

Mesmo com a ajuda de familiares, toda a renda será destinada a pagar as mensalidades e despesas de Kethleen. É uma forma de garantir que os estudos da jovem não sejam interrompidos por problemas financeiros, caso ela não consiga logo um novo estágio.



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.