Publicidade
Manaus
Saúde pública

UPA Campos Salles tem serviços reduzidos a clínico geral e pediatra

População teme que a unidade, que funcionava com especialidades variadas e que esteve no epicentro da operação "Maus Caminhos", feche as portas 28/06/2017 às 05:00
Show trertert
Atendimento de ortopedia da unidade foi suspenso em maio deste ano. Fotos: Winnetou Almeida
Luana Gomes Manaus (AM)

Lideranças comunitárias da região do Tarumã, na Zona Oeste da cidade, reclamam do possível fechamento da Unidade de Pronto Atendimento de Saúde (UPA) Campos Salles. A UPA era administrada pelo Instituto Novos Caminhos (INC), organização social investigada na operação Maus Caminhos. Conforme a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), não existe previsão de fechamento do espaço.

A preocupação quanto ao fechamento se dá pela falta de serviços e até mesmo de produtos básicos e medicamentos no local. Diante deste cenário, os comunitários marcaram para esta terça-feira (27) uma reunião com o atual titular da Susam, Vander Alves. O secretário não apareceu, em virtude de viagem. O próximo encontro ficou agendado para esta quinta-feira (29), às 15h, na 20ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom).

Conforme a presidente da comunidade Campos Salles, Poliana Pereira Silva, a UPA funcionava com especialidades variadas e hoje conta apenas com clínico geral e pediatra. O atendimento de ortopedia foi suspenso em maio deste ano.

Ao todo, 32 lideranças discutem o futuro da UPA, apontada a época de sua inauguração (11 de março de 2014) como reforço no serviço de urgência de média complexidade da área do Tarumã. De acordo com Poliana Pereira Silva, foram necessários seis anos de luta para que ela saísse do papel. “Tivemos que fechar a Torquato Tapajós para que abrisse e agora, com apenas de três anos de funcionamento, querem fechá-la”, detalha.

O vice-presidente da Associação de Moradores do Cetur (AMC), Marcos Cortinhas, ressalta que as comunidades da região irão sofrer caso a UPA seja encerrada, especialmente com o fato de que o Tarumã conta com poucas opções em seus arredores.

De acordo com o conselheiro de segurança do Tarumã, Marlon Seabra Peres, a unidade Campos Salles atende de 400 a 500 pessoas diariamente e seu fechamento prejudicaria a população que mora no bairro, composta por pelo menos 55 comunidades. De acordo com ele, quem deseja procurar serviço de ortopedia, por exemplo, precisa agora buscar atendimento ou no Pronto-Socorro Platão Araújo (localizado na Autaz Mirim, Jorge Teixeira, Zona Leste) ou no Hospital Pronto-Socorro 28 de Agosto (localizado na avenida Mário Ypiranga, Adrianópolis, Zona Centro-Sul).

Decisão ‘Técnica’

Segundo a Susam, o serviço de ortopedia deixou de ser ofertado na unidade por decisão técnica da secretaria, visando otimizar o atendimento nesta área no âmbito da rede estadual de saúde. “O serviço de ortopedia está concentrado nos prontos socorros, onde há estrutura adequada para que os profissionais da área de ortopedia possam realizar tanto as consultas de emergência quanto os procedimentos cirúrgicos”.

Em nota, o órgão ressaltou que as especialidades ofertadas na UPA Campos Salles são as padronizadas para este tipo de unidade de saúde. “Os pacientes que necessitarem de atendimento de urgência e emergência em outras especialidades devem se dirigir a um pronto-socorro”, informa o texto.

Ainda segundo a nota, a secretaria ressaltou que a UPA Campos Salles é gerenciada pela Susam e irá continuar sob a gestão da pasta, integrando a rede estadual de urgência e emergência.

Publicidade
Publicidade