Publicidade
Manaus
Manaus

Usuários do transporte coletivo se sentem ‘enganados’ em terminal de ônibus de Manaus

Cartazes afixados próximos a catracas informam que o valor ainda é de R$ 3,00 18/06/2013 às 07:26
Show 1
Na placa fixada próximo à catraca do terminal com o valor de R$ 3 era difícil visualizar o valor de R$ 2,90, feito com caneta de forma manuscrita e sem destaque
Bruna Souza Manaus

A passagem do transporte coletivo de Manaus foi reduzida de R$ 3 para R$ 2,90, mas uma semana depois de a diminuição entrar em vigor, cartazes afixados próximo às catracas de entrada do maior terminal de passageiros da cidade e em ônibus têm confundido a cabeça dos usuários. O flagrante foi feito na manhã desta segunda (17), por volta das 8h, no Terminal da Constantino Nery (T1) e dentro de um coletivo da linha 447 que pertence à empresa Amazon Líder.

Na placa fixada próximo à catraca do terminal com o valor de R$ 3 era difícil visualizar o valor de R$ 2,90, feito com caneta de forma manuscrita e sem destaque, nas entradas de passageiros do terminal.

De acordo com o auxiliar administrativo Almir Santos, as placas com o valor antigo “enganam” os passageiros que ainda não sabem que o valor da passagem foi reajustado. “Essas placas com o valor de R$ 3 são inadmissíveis. Muitas pessoas sabem que a passagem diminuiu, mas e as pessoas que não sabem? Como ficam? Elas são enganadas”, declarou Almir.

No último sábado, a equipe de reportagem também flagrou o informativo colado dentro do ônibus da linha 447, da empresa Amazon Líder, placas OAD-9398 e número de identificação 0911017.

A vendedora de confecções Madria Alves, 20, disse à reportagem que em cinco dos sete dias que precisou pegar o ônibus para ir de casa para o trabalho e do trabalho para casa, na semana passada, o valor pago na catraca foi de R$ 3, totalizando um custo de R$ 1 a mais no orçamento no fim do período. “Durante a semana passada, inclusive hoje (segunda), paguei R$ 3 por passagem. Eu já sabia que o novo valor é R$ 2,90, mas não fiz questão dos R$ 0,10 no troco por ser tão pouco. Uns cobradores ainda dizem que não têm a diferença e outros nem falam nada. Acredito que é obrigação do cobrador e das empresas colocarem os comunicados sobre o novo valor da tarifa, tendo em vista que nem todas as pessoas estão cientes sobre a redução”, declarou.

Diretor nega
A equipe de reportagem de A CRÍTICA entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Manaus e foi informada que uma equipe da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) seria encaminhada imediatamente ao terminal para fazer a retirada dos cartazes. Ao retornar ao local, os informativos haviam sido tirados das entradas e, ao ser questionado, o funcionário responsável por receber o pagamento dos usuários disse que não poderia falar sobre o assunto e pediu para procurarmos a direção do local.

Ao entrarmos em contato, por telefone, com o diretor de Transportes da SMTU, Waldir Frazão, que ficou responsável por acompanhar a equipe de A CRÍTICA durante a fiscalização acionada após a denúncia feita pela reportagem, ele negou o ocorrido mesmo com a existência das imagens.

“Todos os dias a SMTU faz fiscalização nos terminais de ônibus e não há a possibilidade de haver esses informativos nesses locais. Na última segunda-feira (10) todas as empresas receberam um ofício e cartazes com o preço da nova tarifa”, disse.

Passageiros acusam o Sinetram

Em meio à polêmica da falta de troco nos ônibus, usuários denunciaram que funcionários do Sindicato das Empresas de Transporte de Manaus, lotados no T1, estão deixando de dar a diferença de R$ 0,10 com o argumento de não terem o troco referente à nova tarifação decretada no último dia 7 deste mês, pelo prefeito Artur Virgílio Neto.

Em nota o Sinetram informou que não tinha conhecimento sobre os fatos ocorridos no Terminal 1 e denunciados por A CRÍTICA e que as medidas cabíveis serão tomadas para que o usuário não venha se sentir constrangido ou lesado.

O órgão informou, ainda, que todos os funcionários foram informados sobre a nova tarifa da passagem, no valor de R$ 2,90, e tem por dever informar o usuário desatualizado e ressalta sobre o direito da Lei do Troco.

De acordo com a assessoria de imprensa da SMTU, mais de 30 mil moedas entrarão em circulação no setor de transporte nesta terça-feira, que serão disponibilizados para o troco dos usuários.

Troco é direito garantido em lei

O artigo 257 da Lei Orgânica do Município, decretada no dia 3 de maio de 2011, conhecida como Lei do Troco, define que são direitos dos usuários de transporte coletivo receber o troco integral quando efetuar o pagamento com moeda mais próxima de cinco vezes o valor da passagem inteira, sendo o passageiro pode ser transportado gratuitamente em caso de inexistência desse valor. A lei também define que as empresas do setor providenciem e disponibilizem aos cobradores o dinheiro que servirá de troco no início de cada jornada de trabalho.

Questionada sobre a possibilidade de descer do coletivo pela porta da frente, quando o cobrador não possuir o troco, a entrevistada Madria Alves disse não ter conhecimento sobre o direito da Lei do troco e garantiu que vai fazer valer a determinação. “Não sabia que podia descer do ônibus pela frente se o cobrador não tiver os R$ 0,10. A partir de agora vou questionar e fazer valer o meu direito como cidadã”, disse Madria.

Como denunciar
De acordo com o assessor jurídico do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), Fernando Borges, as denúncias contra funcionários do T1, serão apuradas e o funcionário infrator poderá ser demitido por justa causa e disponibilizou um telefone 2123-0700 para que os usuários façam as denúncias.

 

Publicidade
Publicidade