Terça-feira, 23 de Abril de 2019
publicidade
1.gif
publicidade
publicidade

Manaus

Usuários precisam sobreviver a travessia de risco para acessar a Rodoviária de Manaus

Passageiros sofrem para conseguir atravessar vias de acesso ao terminal rodoviário, na Zona Centro-Sul. Tempo para cruzar a via pode chegar a 20 minutos


18/09/2015 às 11:32

Para atravessar a avenida Djalma Batista, nas proximidades do Terminal Rodoviário Engenheiro Huascar Angelim, na Zona Centro-Sul, só contando com a colaboração dos motoristas. Caso contrário, a espera para cruzar  a via pública  pode demorar até 20 minutos, e ainda assim, com riscos enormes.

“Aqui  deveria ter uma faixa de pedestre com semáforo, ou uma passarela”, reclama a dona de casa Maria de Lurdes, 68, depois de esperar quase 15 minutos para atravessar.  Enquanto conversava com a equipe de A CRÍTICA, Lurdes notou um espaço entre os carros e resolveu correr para atravessar. “Vou indo, que se não for agora não atravesso mais”, despediu-se.

Assim como ela, centenas de pedestres sofrem com a travessia arriscada. Na avenida Mário Ypiranga, existe uma passarela onde os pedestres podem atravessar, mas o mesmo não acontece do outro lado da via.

“Eu acredito que não é necessário construir uma passarela, mas sim colocar um semáforo. Já presenciei vários acidentes nesta área e alguns atropelamentos. Os ônibus e carros saem da rodoviária e se encontram com os que estão vindo da Djalma Batista. É uma confusão”, relata o mecânico Francisco Oliveira, 33, que há três anos trabalha próximo à rodoviária de Manaus.

O casal de servidores públicos Ingrid Lamazon, 38 e João Evangelista, 38, veio de Boa Vista (RR) e estava em trânsito para o   Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. Precisavam pegar o ônibus do outro lado da rua, mas só conseguiram atravessar a via quando um motorista de um Kombi parou e fez sinal para que os outros veículos também parassem.

“Se não fosse a educação do motorista, estaríamos até agora tentando atravessar com as malas. Deveriam fazer  uma faixa de pedestre neste trecho pelo menos, para evitar atropelamentos”, opina Ingrid.

Descaso continua

A rodoviária continua em péssimas condições estruturais e sem gestão. Quem continua bancando a manutenção do local são os comerciantes que atuam na rodoviária. A  Secretaria de Estado de Infra-Estrutura do Estado do Amazonas (Seinfra) informou que não existe “nenhum projeto voltado para a Rodoviária de Manaus em andamento”.

A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU)  e o Instituto Municipal de Engenharia e de Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) não responderam até o fechamento desta edição.

Em números

14 é o número de linhas intermunicipais que compõem o sistema na Rodoviária de Manaus, mas também  são realizados deslocamentos interestaduais e internacionais. São cerca de 5 mil usuários do transporte por semana, o que corresponde a mais de 20 mil pessoas por mês circulando no espaço. Países como Venezuela, Guiana Inglesa e Colômbia já são destinos de usuários fora do país.

publicidade
publicidade
Câmara Municipal deve criar comissão para defender Zona Franca de Manaus
Motoristas do Amazonas vão poder parcelar IPVA atrasado em até 12 vezes
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.