Publicidade
Manaus
BILHETERIA ELETRÔNICA

Usuários reclamam da falta de aviso sobre mudanças em postos de recarga da SMTU

O Sinetram informou que apenas as unidades do bairro Alvorada, Djalma Batista e Codajás deixaram a parceria 31/10/2017 às 07:22
Show zcid033101 p01
O posto de recarga que funcionava nesta drogaria na Zona Sul foi desativado
Álik Menezes Manaus (AM)

Sem divulgação prévia, usuários do transporte coletivo foram surpreendidos pela redução dos pontos de recarga de bilhetagem eletrônica em Manaus. A rede de drogarias FarmaBem, segundo funcionários, desistiu da parceria após aumento do número de assaltos e reclamações de clientes. 

Na manhã de ontem, a estudante do primeiro ano do ensino médio Janiele Oliveira Gomes, 15, foi surpreendida ao chegar na FarmaBem localizada na avenida Autaz Mirim. “A moça (atendente) me falou que desde o dia 23 a empresa encerrou a parceria com o Sinetram, agora eu vou me atrasar para a aula porque vou ter que ir a pé até outro ponto”, contou. 

A jovem contou que a funcionária disse que um dos motivos para o fim da parceria foi o aumento do número de assaltos nas drogarias da rede. A compra dos créditos é feita exclusivamente em dinheiro, sem a possibilidade de se utilizar cartões de crédito ou débito. “Parece que os bandidos estão assaltando mais, aí tiveram que acabar com esses pontos que ficavam mais próximos da comunidade”, lamentou. 

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Manaus (Sinetram) informou que apenas as unidades do bairro Alvorada, Djalma Batista e Codajás (na Cachoeirinha) deixaram a parceria, mas funcionários das drogarias disseram à reportagem que todas as drogarias deixarão de prestar o serviço, gradativamente. 

A unidade da drogaria localizada no Boulevard Álvaro Maia, na Zona Sul, inclusive, também encerrou o serviço ontem, conforme relatos de outra  funcionária. Segundo ela, além do perigo de assaltos, clientes se sentiam incomodados com o tempo de espera e com a “bagunça” provocada por alunos que iam recarregar as carteiras de estudante. 

Na drogaria localizada na avenida Codajás, no bairro Cachoeirinha, que fica próximo de escolas e de universidades, o serviço também foi cancelado na semana passada, segundo relatou uma funcionária. O motivo seria o aumento no número de assaltos em todas as drogarias que começaram a prestar o serviço e a tendência é que todas as unidades da rede deixem de prestar o serviço, disse. 

Transtornos

A redução no números de postos prejudica a rotina de usuários que já estavam acostumados com a mudança. “Antes eu precisava ir lá no T1 (na Constantino Nery), era cansativo e muito desgastante, não faz parte da minha rota. Aí quando mudaram e anunciaram novos postos ficou perfeito para a gente, esse aqui (no Boulevard) fica próximo da faculdade e do meu trabalho, facilitou bastante, mas agora nem sei como vai ser quando fechar. Não nos informaram e nem orientaram nada". 

Falta de informação e ‘descaso’

O universitário Stefano Alex Souza, 20, criticou a redução do número de locais para fazer a recarga sem ampla divulgação.  O estudante também foi surpreendido ao chegar na drogaria. “Eles não respeitam os usuários. A gente perde tempo para vir aqui e ser informado que não fazem mais a recarga. No mínimo eles deveriam ter avisado com dias de antecedência, é uma falta de respeito”, disse. 

Para a estudante Camila da Silva de Araújo, 22, o Sinetram deveria substituir os pontos na mesma área para que os usuários não fossem prejudicados. “O pessoal já estava acostumado com vários locais, mas e agora? Eles têm que colocar o serviço em outro comércio na mesma região”, orientou.

Pontos são 180, afirma Sinetram

O Sinetram informou que apenas três drogarias da rede pediram para deixar a parceria e que outros estabelecimentos próximos assumiram os postos, mas não apontou quais são. O sindicato informou ainda que mantém, em Manaus, cerca de 180 pontos de recarga de bilhetagem eletrônica em todos os bairros da cidade.

A Prefeitura de Manaus informou que a Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU)  procura, em conjunto com o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Manaus (Sinetram), manter os postos atuais e fiscaliza a operação dos mesmos para verificar se os serviços estão sendo efetivamente prestados. 

Publicidade
Publicidade