Publicidade
Manaus
INFLUENZA

Vacina contra gripe já está disponível na rede particular de saúde em Manaus

As doses chegam a custar entre R$ 100 e R$ 150 para adultos e crianças. Na rede pública a previsão é que a imunização chegue ainda neste mês 11/03/2019 às 09:11 - Atualizado em 11/03/2019 às 09:46
Show show 25042011ef19306a vacinacao elza fiuza abr dec76599 d22d 4ad1 929a 97d56acfc5c8
Foto: Agência Brasil
Luiz G. Melo Manaus (AM)

Enquanto a campanha de vacinação contra a gripe não inicia na rede pública, a procura pela imunização nas clínicas particulares tem sido grande. A clínica Imunizar, por exemplo, já recebeu no início da semana passada o primeiro lote da vacina. Muitos clientes, inclusive, já haviam efetuado o pagamento antecipado pelas doses, que chegam a custar R$ 150. Na clínica Vacinar o primeiro lote de vacinas está previsto para chegar na próxima quarta-feira (13). A trivalente custará R$ 100 e a quadrivalente R$ 150, para adultos e crianças.

É absolutamente normal as clínicas particulares receberem os lotes da vacina antes da rede pública, conforme explicou a proprietária da clínica Imunizar, Kelly Mattos. “Os fabricantes [das vacinas] são diferentes. As da rede privada são importadas e da rede pública são fabricadas no Brasil, por isso são entregues em datas diferentes. Enquanto as doses da rede pública ainda estão sendo fabricadas, as dos laboratórios que fornecem pra gente já estão prontas, pois são produzidas entre dezembro e janeiro”, explica.

Uma dúvida que pode surgir em quem procurar pelas vacinas é a respeito da diferença entre a vacina trivalente e a quadrivalente. O grande diferencial é a abrangência da proteção. Antes é preciso entender que os vírus da gripe Influenza tipo A se divide em diversos subtipos. Os mais conhecidos são o H1N1 e o H3N2. Estes também se dividem. O mesmo ocorre com os vírus influenza do tipo B, que não têm subtipos tão conhecidos.

Anualmente a Organização Mundial de Saúde (OMS) faz um levantamento e define quais são os vírus que estão circulando mais no mundo. A partir destas informações, começam a ser formuladas as vacinas que serão aplicadas no início do inverno em todo o hemisfério Sul. Quem decide a composição das vacinas é a OMS.

Trivalente e quadrivalente

A vacina trivalente, normalmente disponível nas campanhas da rede pública, contará em sua fórmula com vírus inativados das cepas do Influenza A (H1N1), H3N2 e do Influenza B (cepa Yamagata). Já a quadrivalente ainda protege contra uma outra cepa do tipo B, a Victoria. Essa vacina, entretanto, só está disponível no setor privado. “A quadrivalente tem uma cepa a mais. Ela cobre dois subtipos da influenza A e dois subtipos de influenza B’’, resume Kelly, acrescentando que a rede privada oferece a dose trivalente, que também são fabricadas fora do País.

Para o médico infectologista Antônio Magela, da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas (FMT-AM), os dois tipos de vacina são eficazes no combate ao vírus H1N1 que tem circulado no Estado. “No final das contas a efetividade delas é contra a gripe por Influenza A (H1N1), H3N2 e Influenza B”, disse.

Segunda a pneumologista e professora de pneumologia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Socorro Cardoso, os efeitos colaterais da vacina contra a gripe são os mesmos efeitos das outras vacinas. “Pode acontecer uma reação alérgica, por se tratar de um produto biológico. Porém os efeitos mais comuns são dor no local da aplicação, vermelhidão e talvez febre baixa, mas se resolvem com alguns dias”.

Rede pública neste mês

Na rede pública, o Ministério da Saúde (MS) assegurou que a campanha de vacinação contra a gripe seria antecipada para a segunda quinzena de março. A data do início da campanha segue indefinida.

O Instituto Butantan, de São Paulo, que está trabalhando na produção das vacinas contra a gripe desde outubro do ano passado, informou que concentrou esforços para atender à solicitação do MS para antecipar o fornecimento de 1 milhão de doses da vacina contra gripe para o Amazonas. A previsão é que a partir da próxima quarta-feira (13), 10 milhões de vacinas já estejam prontas para a avaliação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Publicidade
Publicidade