Publicidade
Manaus
Manaus

Vaga em Brasília: Plínio Valério na Berlinda

O presidente da CMM, Bosco Saraiva, evitou discutir o assunto nos últimos dias, afirmando que nesta segunda-feira (28) manterá a agenda prevista com a posse do suplente de Plínio Valério, o (quase) vereador Ewerton Campos Wanderley 28/01/2013 às 10:32
Show 1
Plínio diz que consultará o MPE, especialistas e o partido antes de decidir
kleiton renzo Manaus

A única alternativa para o vereador Plínio Valério (PSDB), assumir a suplência do deputado licenciado Pauderney Avelino (DEM), será abrir mão do cargo atual e pedir sua desincompatibilização da Câmara Municipal de Manaus (CMM). O inciso 3º do artigo 54º da Lei Orgânica do Município (Loman), que permitiria ao tucano tirar licença para assumir em Brasília, já é considerado inconstitucional há quatro anos pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM).

A Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) foi proposta pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) contra o dispositivo em dezembro de 2008 e julgado inconstitucional por unanimidade em agosto de 2009 pelos desembargadores do TJ-AM, seguindo o voto do desembargador Rafael Romano. A informação, já publicada por A CRÍTICA desde dezembro, foi novamente ventilada na noite de sexta-feira (25), pelo ex-prefeito Serafim Corrêa (PSB) em seu blog.

Pela redação suprimida da Loman, no inciso 3º do artigo 54º, ao vereador seria permitido licenciar-se “para assumir, na condição de suplente, pelo tempo em que durar o afastamento ou licença do titular, cargo ou mandato eletivo estadual ou federal”. Questionado se o Ministério Público Estadual (MPE-AM) tinha conhecimento da manutenção do texto inconstitucional na Loman, o procurador-geral de Justiça, Francisco Cruz, evitou atrito. “Aí eu não sei. Eu vou alertar a eles sobre a decisão do tribunal. Hoje (sábado), falei com o presidente (Bosco Saraiva)”, comentou Cruz.

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).

Publicidade
Publicidade