Publicidade
Manaus
GUERREIRA

Vendedora de picolé venezuelana do T2 viraliza na Internet e se diz guerreira

Jorseily Villarroel, de 22 anos, após ganhar 'fama' nas redes sociais, já recebeu muitas propostas de emprego e se emociona com o carinho das pessoas de Manaus 12/09/2017 às 22:26 - Atualizado em 13/09/2017 às 11:41
Show vendedora
Jorseily Villarroel está surpresa com a repercussão que causou ao vender picolé no T2 e também com o carinho que tem recebido (Foto: Antônio Lima)
Lorenna Serrão Manaus (AM)

A venezuelana Jorseily Villarroel, de 22 anos, ficou “famosa” após uma foto em que ela aparece vendendo picolé no Terminal 2, Cachoeirinha, Zona Sul de Manaus, cair na rede. O motivo? A beleza da jovem, que veio ao Brasil, junto com o namorado, para fugir da crise da Venezuela. Por ser muito bonita, algumas pessoas se assustaram com o fato dela trabalhar como vendedora ambulante no T2, algo que a deixou surpresa.

 “A mulher venezuelana é conhecida por sua beleza, mas é preciso dizer também que somos mulheres fortes, que não temos medo de trabalhar para superar as nossas dificuldades. Pra mim, vender picolé é um trabalho como outro qualquer”, comentou Jorseily, que mora em Manaus há cinco meses.

Além de bonita, a picolezeira é também muito simpática e foi exatamente isso que chamou a atenção do segurança Paulo César, 44 anos, o responsável pela “fama” de Jorseily.

“Pego ônibus todos os dias aqui no T2 e na semana passada quando a vi pela primeira vez vendendo picolé, fiquei impressionado com a simpatia que ela tem. Me aproximei e perguntei se poderia fazer uma foto dela trabalhando para postar no meu Facebook, ela deixou e a foto bombou”, disse Paulo César.

Após a repercussão da imagem nas redes sociais, Jorseily recebeu várias propostas de emprego, mas, pelo menos por enquanto, não tem como aceitar nenhuma oferta.

“Eu viajo daqui a duas semanas para Venezuela, vou visitar a minha família, e por isso não aceitei as propostas que recebi. Mas quando voltar vou entrar em contato com as pessoas que me ofereçam emprego para saber qual oferta vou aceitar porque são muitas”, completou.

Sobre a repercussão por conta da beleza, Jorseily  revelou que não se sentiu intimidada ou assediada. “A notícia sobre a minha foto na internet me surpreendeu, achei incrível, incrível. Estou impactada com o carinho que tenho recebido em Manaus, com a aceitação, não tenho palavras para descrever, estou muito emocionada”, comentou.

Início

Jorseily está em Manaus há cinco meses, mesmo tempo em que trabalha como vendedora de picolé no T2. “Quando cheguei aqui tentei vender banana e dindin também, mas não tive muito sucesso. Aí um amigo falou sobre a venda de picolés, eu comecei e deu certo, o lucro é bem melhor e o picolé mais acessível”, contou.

Jorseily trabalha de segunda a sábado, das 9h às 16h. Além de vender no T2, ela também embarca nos ônibus para oferecer os picolés.

“Faturo diariamente em média de R$ 60 a R$ 80. Compro 40 picolés por R$ 12 em um lugar no Centro de Manaus. Quando acaba vou lá pegar mais. É um prazer trabalhar aqui, gosto de vender picolé, me torna mais forte e é uma grande experiência, algo único”, revelou.

Sonho

Enquanto o Brasil é conhecido como o “País do Futebol”, a Venezuela é a dona da bola no quesito concursos de beleza. Mas apesar de ser muito bonita, Jorseily revela que nunca sonhou em participar de concursos, seu sonho é outro. “Eu adoro maquiar outras pessoas, meu sonho é fazer uma curso de maquiadora e me tornar uma profissional dessa área”, revelou a venezuelana.

Publicidade
Publicidade