Sábado, 24 de Agosto de 2019
Manaus

Vendedores estão otimistas em relação às vendas na Galeria Espírito Santo em Manaus

Trabalhadores retirados das ruas e transferidos para a galeria popular, há quase dois meses, estão satisfeitos com o espaço e esperam atrair mais clientes



1.gif De acordo com os vendedores da galeria Espírito Santo, a facilidade, segurança e conforto são os principais atrativos, que levam os clientes até as lojas
30/09/2014 às 10:26

Inaugurada há quase dois meses, a Galeria Espírito Santo, localizada na esquina das ruas 24 de Maio e Joaquim Sarmento, no Centro, é elogiada tanto pelos clientes como pelos microempreendedores que foram retirados das ruas e apostam que o fluxo de pessoas no centro comercial aumentará nos próximos meses.

De acordo com o aposentado Antônio Ribeiro, 50, o shopping popular dispõe de uma ótima estrutura e, por isso, desperta o interesse dos clientes que passam em frente ao estabelecimento, além de oferecer mais segurança. “Aqui você se sente mais seguro do que quando nas ruas, era uma aglomeração, um negócio apertado, corríamos o risco de ser furtados. É a segunda vez que venho aqui e estou gostando bastante, até os banheiros são limpos”, elogiou.

Antônio destacou, ainda, que essa ação de retirada dos camelôs das ruas é uma iniciativa a ser comemorada pelo fato de deixar o Centro de Manaus mais bonito, com calçadas livres para os pedestres. Mas, orienta que deveria existir mais divulgação. “Quem não lê jornal e não frequenta sempre o Centro não tem como saber onde fica a galeria, deveria haver mais divulgação. Acho que placas sinalizando ajudariam bastante”, orientou.

Para Michele da Silva, 40, que trabalhou por 28 anos vendendo lanches na rua 24 de Maio, a expectativa quando foram retirados do local foi de frustração, mas com o passar do tempo percebeu que a decisão será positiva para toda a sociedade, mesmo com as vendas reduzidas nesse período. “Muitas pessoas reclamam que não conhecem o lugar, mas tenho fé que com o tempo as coisas vão melhorar. Acredito que falta divulgação”, disse.

Michele afirmou que nos primeiros dias após a inauguração o movimento foi intenso. “Logo nos primeiros dias foi muito bom. Estamos confiantes que agora nesses próximos três meses as vendas vão aumentar. Nós temos uma ótima estrutura. Vamos ter fé”, acredita.

De acordo com o microempreendedor William Santana, as vendas foram muito boas logo quando a galeria inaugurou. Porém, nos últimos dias as vendas reduziram. William acredita que o momento ruim deverá passar em breve e aposta que com ações de publicidade o centro comercial será mais frequentado. “Nós nos reunimos e pagamos um carro de som para divulgar na semana passada e percebemos que as vendas aumentaram consideravelmente”, disse William.

William, que trabalhou por 15 anos como camelô na rua Eduardo Ribeiro, afirma que muitas coisas positivas aconteceram. Entre elas está o fato de serem vistos pela sociedade de outra forma. “A ideia é muito boa, passamos de vendedores ambulantes para microempreendedores. Antes nós éramos meio que discriminados pela sociedade, agora somos vistos de forma positiva. Isso é muito bom”.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.