Publicidade
Manaus
CENAS BRUTAIS

Vendedores relatam alta procura, mas também rejeição por DVD de massacre

O camelô José Carlos Souza, que trabalha no Mini Shopping da Compensa, Zona Oeste de Manaus, disse que a procura pelo DVD pirata com imagens da chacina no Compaj foi grande, mas houve muita recusa também 17/01/2017 às 20:05
Show dvd0888
Vídeos disponíveis no DVD já foram amplamente divulgados por App’s e nas redes sociais. Foto: Reprodução
acritica.com Manaus

O massacre do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), considerado o segundo maior assassinato coletivo de presidiários, não traz imagens agradáveis ou histórias de glórias, mas sim mostram registros brutais  que chocam, como os corpos sendo esquartejados e presos ainda vivos sendo torturados. Embora sejam as mais cruéis possível, essas imagens estão em  DVD, que está sendo vendido nas bancas de DVD’s piratas, principalmente no bairro Compensa, Zona Oeste, berço da facção criminosa Família do Norte (FDN) apontada como a responsável pelo massacre.

O camelô José Carlos Souza, 59, vendedor das proximidades do Mini Shopping da Compensa disse que recebeu cinco DVD’s do massacre. De acordo com ele,  todos foram vendidos. José Carlos disse ainda que, apesar da alta procura, houve também muita rejeição.

“Muitas pessoas, quando viam um homem cortando o outro com terçado, já deixavam de comprar”, contou. Ele mesmo não teve coragem de ver. “Eu durmo com a luz apagada e posso ter pesadelo”, disse.  O camelô disse que recebeu os filmes de uma fábrica  pirata que funciona no Centro e que estava esperando outros nesta terça-feira (17), mas a chuva e a greve de ônibus atrapalharam na chegada.

Outro comerciante do mesmo bairro, que não quis se identificar, disse que não aceita vender e muito menos quer levar para casa para assistir. “Isso é coisa do cão e essas imagens atraem coisas ruins para a gente", declarou.

Vendedores de DVDs piratas da avenida Beira Rio, no bairro do Coroado, Zona Leste, disseram que ainda não receberam o DVD do massacre do Compaj, mas que também não pretendem vender.  Apesar disso, eles disseram que muitas pessoas já procuraram o material.

Publicidade
Publicidade