Publicidade
Manaus
SEX SHOP

Vereador cobra apoio a professora punida após denunciar sex shop em escola

Professora Ana Lúcia Brito de Araújo vai ficar dois meses sem receber por denunciar venda de produtos eróticos em quadra de escola 19/03/2018 às 12:03 - Atualizado em 19/03/2018 às 14:03
Show prof
Foto: Jander Robson
Nais Campos Manaus (AM)

O vereador Wallace Oliveira (Podemos) fez uso do pequeno expediente da Câmara Municipal de Manaus (CMM) desta segunda-feira (19) para repercutir a matéria de A Crítica sobre a punição atribuída à professora Ana Lúcia Brito de Araújo que denunciou, em 2016, a realização de um brechó na Escola Estadual Castelo Branco, no bairro São Jorge, onde estudantes comercializavam livremente produtos de sex shop. “Quero ver as vereadoras desse parlamento se levantar em apoio a essa trabalhadora”, alfinetou.

 

A professora recebeu uma punição de 60 dias imposta pela Comissão de Regime Disciplinar da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) ao alegar que a docente expôs os estudantes que estavam nas fotos divulgadas no jornal A Crítica na época. Lembrando que a empresa de comunicação preservou as identidades dos alunos ao borrar os rostos deles nas imagens publicadas.

Revoltada com o pronunciamento de Wallace Oliveira, a vereadora Joana D'arc (PR) discursou em defesa das mulheres que compõem a Câmara, hoje com quatro representantes, a quem atribuiu legislarem não apenas em favor das mulheres, e sim para todos os cidadãos de Manaus.

Quanto à professora punida pela Seduc, Joana D'arc anunciou para esta semana uma visita da Comissão de Mulheres da CMM à profissional, a quem prometeu prestar solidariedade. “Não podemos transformar o parlamento em lutas de classes e nem generalizar os assuntos, pois legislamos para todos”, declarou a vereadora ao afirmar que o colega balizou a fala às opiniões do “tribunal do júri faceboqueano”.

“Uma causa não anula a outra, ou seja, não é porque nos sensibilizamos com a morte da vereadora do Rio de Janeiro que signifique desprezar a dor da professora injustiçada pela Secretaria de Educação do Amazonas”, completou.

Publicidade
Publicidade