Sábado, 20 de Julho de 2019
TRABALHO

Vidas anônimas: Homem aposta em uniforme de garçom e vende água no sinal de Manaus

Conheça a história do amazonense Lúcio Barbosa que decidiu abandonar um emprego de carteira assinada, para trabalhar no sinal. Hoje ele recebe em média R$ 2.500 por mês



16/02/2018 às 05:16

Ser criativo e capaz de surpreender as pessoas é uma qualidade que precisa estar inserida no profissional do século XXI. O amazonense Lúcio Barbosa da Silva, de 24 anos, entendeu isso e decidiu apostar em um "uniforme" para vender garrafas de água no sinal da avenida Getúlio Vargas. O público tem recebido tanto a novidade, que a média mensal do rapaz é de R$ 2.500. Ele até abandonou um emprego de carteira assinada e recusou outras oportunidades de trabalho.

Lúcio pode ser encontrado de segunda à domingo, por volta das 9h, em frente ao Sesi Saúde, localizado no Centro de Manaus. Chegando próximo ao local que o autônomo deixa uma caixa de isopor com garrafas de água e gelo, ele é visto no meio dos carros com uma camisa manga longa branca, colete social, calça e uma gravata borboleta preta.

Para tentar falar com o rapaz, me aproximei de um homem de aparentemente 60 anos, que trabalha como flanelinha no local. O senhor estava sentado em um banquinho observando o trafego do carros, quando decidi puxar assunto para pegar as primeiras informações sobre o garçom que continuava a poucos metros de distância, "desfilando" no meio dos carros. Era uma quinta-feira, o tempo de Manaus estava nublado, mas o calor continuava.

— Olá, bom dia.

— Bom dia — respondeu o senhor de 60 anos, de forma simpática

— A gente está esperando aquele homem ali — falei, apontando para o garçom que continuava entre os carros segurando uma bandeja com a mão direita, e na esquerda levando uma garrafa de água.

—  Vocês querem falar com ele?

— Sim.

— Eiiiiiiiiiii (sic) garçom, eles querem falar com você —gritou o homem chamando atenção das pessoas que passavam por ali, principalmente de Lúcio.

Logo, o rapaz saiu do meio dos carros e se aproximou de mim. Lúcio é moreno, usa um corte de cabelo baixo e tem olhos escuros. Ele também utiliza um aparelho ortodôntico com ligas coloridas.

— Bom dia, tudo bom?

— Tudo ótimo!

— Amanda do Jornal A Crítica. Vimos que você está aí vendendo as águas com trajes de garçom. Queremos fazer uma matéria contigo.

— Topo sim, com certeza.

Comecei a conversar com o Lúcio, enquanto percebia que trânsito na avenida Getúlio Vargas estava intenso, o que é bem normal para o horário.

— De onde surgiu a ideia de vender água........ — antes de terminar de falar ele respondeu a minha pergunta.

—  A ideia surgiu de um grupo de amigos, pois eles estavam desempregados. Como alguns já tinham trabalhado como garçom, decidimos tentar com essa novidade. Agora estou trabalhando e graças a Deus, até agora está tudo funcionando.

— E você, já tinha trabalhado como garçom?

— Eu sou garçom.

 — Ah si...

— Sou garçom. — repetiu Lúcio antes que eu acabasse de falar.

— Você trabalha em eventos nas horas vagas como garçom?

— Sim. De vez em quando aparece pessoas pedindo que eu trabalhe em casamentos, aniversários, entre outros eventos. Trabalho como garçom no fim de semana pela parte da noite.

Lúcio começou a trabalhar vendendo água no sinal da avenida Getúlio Vargas há três meses. Ele fala que decidiu abandonar um emprego de carteira assinada para se dedicar totalmente as vendas de água na via.

— Qual é a sua renda?

— A minha renda é boa.

— Mas quais são os valores por dia?

— Por dia, posso fazer a R$ 100 ou R$ 120.

— É um dinheiro considerado bom para você? — questionou o fotógrafo, Winnetou Almeida, que fazia os registros que ilustram este material.

— Um dia considerado bom é quando recebo R$ 150 a R$ 170 — completou o rapaz.

Repercussão na rua

Lúcio vende as garrafas de água por R$ 2. Enquanto estávamos conversando próximo a caixa de isopor um senhor se aproximou com o interesse de comprar uma garrafa de água.

— Quanto é? — disse ele, apontando para a caixa de isopor.

—Dois reais, Senhor. Bem geladinha, geladinha....

— Eu quero uma, então.

— Está aqui. Obrigada — disse Lúcio, entregando a garrafa na mão do homem. O cliente saiu da minha vista ao entrar na Avenida Leonardo Malcher.

Lúcio anda na via como uma bandeja de inox, um balde e copos para colocar os guardanapos que são entregues junto com as águas.

— Aqui tudo é na prática, na habilidade. — comentou o garçom se referindo a andar no meio dos veículos com a bandeja cheia de objetos e segurar com a outra mão a demonstração do produto.

— Como as pessoas tem recebido o seu trabalho? Muitas pessoas param o carro e o cumprimentam? — perguntei, pois desde que tínhamos chegado no local percebi que alguns motoristas passavam nos veículos e ficava olhando com surpresa para Lúcio.

— O público me parabeniza muito. As pessoas querem tirar foto ou me filmar. A repercussão do meu trabalho tem sido muito boa. Muitos falam que não estão com sede, mas que só vão comprar as garrafas pelo traje que estou usando. Eles falam que "está muito top". — afirmou o rapaz, com um tom de orgulho por as pessoas estarem admirando o seu trabalho.

— Você fica feliz com o recebimento do público?

— Fico feliz, porque percebo que estamos fazendo o diferencial. Isso tudo é uma forma de ganhar e manter a renda.

— No primeiro dia que você veio todo arrumado, o que sentiu? Ficou tímido?

— Não... muito tímido, não. Porque já trabalhei com o público. Já trabalhava como garçom, então não foi tão difícil.

Amor pelo trabalho

Como não tem carro, Lúcio conta com a ajuda de um amigo para levar a caixa de isopor com as águas até o Centro de Manaus. Ele fica na avenida Getúlio Vargas até às 17h.

— Você gosta do que faz?

—  Claro, estou gostando mais do que antes. Eu larguei o meu serviço de carteira assinada para trabalhar aqui. Graças a Deus tem dado tudo certo. Já me ofereceram várias vagas de emprego com carteira assinada, várias mesmo. As pessoas aparecem aqui e falam que gostariam que eu trabalhasse com elas em bares, cafeterias, restaurantes e até em empresas.

O autônomo lembra que o último trabalho de carteira assinada não estava dando certo.

— Primeiro, eu sai, porque não estava dando certo. Eu trabalhava como lavador em uma empresa de Transporte, mas já tinha experiência como garçom.

Oportunidades no sinal

Lúcio pediu um minuto e se deslocou novamente para o meio dos carros. Durante este período, decidi perguntar do homem, que tinha nos recebido mais cedo, o que ele achava sobre o trabalho do garçom.

— O Senhor trabalha aqui também? — perguntei, pois tinha percebido que ele estava acompanhando toda a entrevista que estávamos fazendo com Lúcio.

— Sim — disse ele, enquanto balançava a cabeça.

— O que o senhor acha do trabalho dele?

— Considero uma ideia muito boa, porque tem dando muito certo. Eu vejo sempre as pessoas pedindo para tirar foto com ele.... parabenizam. Ele vende muito bem.

Decidi até pegar o nome do senhor, mas ele preferiu não se identificar. Muito simples, ele é um dos vários flanelinhas que atua na via do Centro da cidade.

— Mas me conte mais das propostas que você recebeu trabalhando aqui.... — disse eu para Lúcio, ao perceber que ele estava novamente próximo de mim pegando um garrafa de água e colocando na bandeja.

— Recebi várias propostas. Mas não me interessei, porque aqui ganho bem melhor.

— Mas então você ainda não saiu daqui, porque não apareceu nenhuma proposta boa?

— Isso. Porque já apareceram várias oportunidades de emprego. Em uma delas ia receber um salário mensal por R$ 1.500, mas aqui tiro em torno de 2.500 por mês. Quando aparecer algo que cubra esse valore, pode rolar.

Média de vendas

Trabalhando 9 horas por dia, Lúcio sustenta uma esposa e duas filhas, em uma casa no bairro Santo Antônio, localizado na Zona Oeste de Manaus.

— Você fica apenas neste sinal?

— Sim. Aqui é meu ponto fixo.

— E a roupa, como você conseguiu? Já tinha o colete?

— Quando decidimos atuar como garçom na rua, tinha apenas uma calça. Ai fui comprando a blusa branca, o colete, a gravatinha borboleta. Foi tudo devargazinho, comprado o balde, a bandeja, os copos.

Enquanto falava comigo, Lúcio abriu a casa de isopor e mexeu nas garrafas para que ficassem mais próximas do gelo. Ele demonstrava preocupação em agradar a clientela.

— Onde você consegue as garrafas?

—  A gente compra.

—   Tem uma média de garrafas para vender por dia?

 —Tenho não, mas todo dia eu venho trabalhar. O meu amigo que estava desempregado é meu sócio. Ele me deixa aqui e a gente divide em 50% o que eu conseguir por dia. Se eu vendo uma garrafa de água por R$ 2, ele fica com o R$ 1.

Público o reconhece

Enquanto Lúcio estava no meio dos carros, alguns motoristas gritavam e o saudavam. Um deles abaixou o vidro do carro e gritou: Ei garçom?. Logo depois, Lúcio respondeu como se o conhecesse.

— Algumas pessoas que passam aqui diariamente já te conhecem né? Como é essa relação? — perguntei.

— Isso é algo muito engraçado. Porque todos os dias alguém me cumprimenta.

Pelo calor, o autônomo andava como uma toalhinha vermelha para enxugar o suor.

— Como você faz para suportar o calor com essa roupa?

— Amazonense gosta de calor mesmo.

— Mas percebo que você está com calor né? — disse, aos risos.

— Uso a toalha para agradar os clientes mesmo. Imagina vender água todo suado.. Dou uma volta, ai já passo o paninho para não ficar suado.

Enquanto o autônomo arrumava novamente a caixa de isopor, comecei me despedir:

— Tchau. Estamos indo.

— Mas já? — respondeu ele, de forma simpática.

Quando estávamos nos dirigindo para o carro, Lúcio nos interrompeu.

— Você aceita uma água? — disse ele, estendendo na mão uma garrafa.

— A gente aceita. Muito obrigada.

De lá, nos encaminhamos para o carro e Lúcio continuava no meio dos carros vendendo as águas, como trabalhador dedicado que é.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.